Suassuna

Hoje é um dia triste! Nao só pela perda de figura tão incrível e única, afinal, já estava com quase 90 anos e amou a vida com ousadia e muita alegria. Mas, pelo fato, de poucos de nós termos acessado a genialidade de Suassuna. Talvez você já o tenha conhecido, sem saber, no desfrute do riso com as aventuras de João Grilo e as historias de Chicó em ‘O Auto da compadecida’. Talvez já tenha lido uma de suas frases em alguma postagem facebokiana ou, ainda, tenha uma vaga lembrança de item de vestibular que falava sobre autos e seus autores. Minha tristeza estar em saber e comprovar que somos um país com heróis e heroínas da cultura popular totalmente desconhecidos para a maioria da população, mesmo aqueles que ocupam cadeiras em academias de letras, como é o caso do homenageado. Caso nunca tenha tido conhecimento de sua obra, por favor, em memória de ilustríssimo cidadão, o convido não somente a assistir à aclamada comédia, mas se debruçar em um de seus escritos e, ainda, vasculhar o youtube se deliciando com suas historias e causos em vídeos gravados ao redor dessa terra linda.Nos últimos meses, Suassuna passou por várias cidades brasileiras com a palestra “Arte como Missão”, esteve em Brasília na ultima Bienal e proporcionou a mim, a uma amiga e a todos aqueles desconhecidos que brilhavam os olhos enquanto ouviam sua voz baixa e deliciosa, um momento sublime.
Obrigada, Ariano!

No nosso país, os heróis tupiniquins não são reconhecidos, tão pouco acessados. 

Uma ode ao Dono dos instantes!

E o convencionado último dia do ano chega mais uma vez, especialmente acompanhado de uma ode ao instante. O tempo não cura, mas cria cenários incríveis para a invisibilidade da intervenção se materializar. Vamos a eles:

Image

Banho de chuva: A água gelada batendo no rosto e a visão do céu que se deságua sobre um ser pequeno demais.  Uma reverencia àquele que magistralmente tudo criou e continua a criar.

O sol se pondo enorme e laranjado como pano de fundo dos quilométricos engarrafamentos da EPTG;

Aos novos amigos com sotaque e sem;

O olhos que brilham nas conversas, nas esquinas, nos sinais, nas ruelas, nos barracos, nas vielas. A surpresa de uma alma tocada, a esperança de uma lágrima salgada;

Uma hora de escuta em sala de aula, esperando o momento de uma fala pontual que torne a outra hora magistral;

O caminhar nos corredores do minhocão reparando gente e se apaixonando cada vez mais pelo belo trabalho de Suas mãos. Um viva à diversidade, um bride à interdisciplinariedade!

A ida sem esperança, mas com desejo profundo de ser mimada, a uma noite qualquer, de um hospital qualquer, sendo atendida por um médico dentre tantos, que proporciona um desatar inesperado e delicioso.

Os 30 + 12 + 30 + 30 + 7 + 15 + 60 + 40…

Cozinha na segunda, fogão na terça, cardápio na quarta, ajuda extra na quinta, mesa posta na sexta, visitas no sábado e almoço fora, no domingo, afinal comer tempero alheio é sempre uma ótima pedida.

Instantes iguais e diferentes de olhares, abraços, beijos, risos, choros e deliciosas descobertas das três pessoas mais incríveis que insistem em me tornar menos medíocre;

Conversa de botequim na calçada, no metro, na parada, no elevador, na chuva, no sofá, no chão, na grama, na carta, no olhar, na cama e até o sol raiar;

O sexo que se assemelha ao vinho em toda a sua complexidade de ficar ainda melhor com o tempo; Cotidianamente novo e surpreendente;

Ao pé de jabuticaba que me deixa espantosamente assombrada;

Ao ipê amarelo que me emociona ao belo;

Visitas não marcadas, encontros surpreendentes, rever sempre as gentes;

As idas ao cemitério e toda matéria prima. A morte como não-mistério;

Narue com amiga x, y, z, com amor, irmã, mãe, naruê rindo muito, lacrimejando, naruê para ouvir e também publicar, um espaço caríssimo que me faz deleitar;

Viagens em gupo, em bando, em tribo, viagem a dois, viagem só com o Invisível;

Pessoas que vêm que vão e que ficam, pessoas que amam, que tramam, queridas.

Olhar de desejo, de fome, ti quiero, olhar sem pudor, sem medo, sem dor;

Relacionamentos na lama, nos becos, nas vida que seguem na madeira e na merda;

Infância tão linda, bendita, uma graça. O prazer de uma causa que fere, que fende. A alegria de viver para Ele comprazer;

Conversas reminiscentes tão valoradas, as horas que passam e o tempo que pará;

A Presença que vem e desfaz o que tem, a Presença que assombra e tanto me ama, a Presença que quero e sempre espero. Que delícia que foi tanto telegrama;

Madrugadas incríveis, sem mais pormenores;

Dias intensos cheios de detalhes; Horas suspensas que eternizam.

Filmes que falam, que tocam e refazem, a companhia que estar sempre a me acompanhar;

O Livro estupendo mal lido, entendo, o desejo de chegar para regurgitar;

O mato, o silêncio, um córrego, um começo. O pai descoberto entre galinhas, goiabeiras, reclamações e goteiras;

Todos os celulares que perdi e a falta que não senti;

O melhor bolo de chocolate do meu mundo e as companhias;

Todas as frases que pensei e não verbalizei;

Elogios que dei e trombadas que trupiquei, passarinhos que passarão e não voltarão;

O olhar tão bonito da Sua visitação;

O cheiro das flores e todas as cores;

O arco-iris no céu e as nuvens que andam;

As lágrimas e risos que saem quando olho para tudo que Ele fez, da grama ao mistério.

Florzinha amarelinha, Gabriel e pedra que serve de banco, grama, de piso e copa, de teto. A revelação estrutural das estruturas.

Crianças orando, clamando, chorando. Crianças sorrindo, cantando, dormindo;

Músicas, poesias, filmes, quadros, vozes, desenhos, corpos, tatuagens;

Amizade de longe que fica tão perto, amizade de perto que sustenta e compreende;

Os guardanapos e porta-pratos;

As fotografias não tiradas e sempre lembradas, àquelas reveladas e sempre mostradas.

Uma vida que segue sem medo da morte!

Image

Senhor Criador da florzinha amarelinha

Em uma dada época, todos os dias redigia um texto sobre a minha vida com Ele. De coisas cotidianas e banais a conceitos complexos e profundos, rolava de tudo.

Hoje, me deu saudade desse tempo:

Estou tão interessada em tudo o que Ele fez, que me emociono dia sim, dia não com árvores, grama, pessoas e frutas. O final da tarde enche os olhos de lágrimas e pisar na grama me enche de gozo. Olhar a florzinha me faz sorrir, cortar a maça, me emociona. Olhar a criança me dá esperança e o adulto, a lembrança de que foi feito à Sua semelhança.

Procuro-O a todo instante e me acalmo em pensar que em mim Ele quer morar. A chuva é tão desejada, o sol sempre esperado. O fundo do mar, uma descoberta e os animais, a sua perfeição.

Mulher grávida, me alegra a alma e o parir felicita a dor. A amizade só me constrange e a fé me leva adiante. Viver é tão abundante, o tempo é o meu instante.

Carrego dentro de mim, a fome de conhecê-Lo, viver um dia sem fim, dormir e sonhar com Ele. A graça da gargalhada, o sal da lágrima chorada. A importância do momento, do agora, desse presente.

O Mestre que criou tudo, continua a criar. Penso em passar dias com Ele, em qualquer lugar. Um banco para dois e uma imensidão no ar.

images

Betinho!

Ele é a minha ocupação

O meu esquema

Meu naruê

 

Ele preenche e me esquenta

Aquece o ar com seu cuidado

Esfria os ânimos em seu silêncio

 

Ele é bonito por natureza

Amigo, bom companheiro

Um partidaço

 

Ele é professor nas horas vagas

E também nas ocupadas

Tem calma que cala a alma

 

Ele tem boas tiradas

Tem covinhas e bela pegada

Me encanta com sua gargalhada

 

Especialista em me refazer

Perito em surpreender

Dá segurança e muito prazer

 

Ele é você!

eu e meu amor

Fábulas

Esopo e sua contemporaneidade!

Fábula 1: MEDO!

“Um fazendeiro e seu filho viajavam para o mercado, levando consigo um burro. Na estrada, encontraram umas moças salientes, que riram e zombaram deles:
– Já viram que bobos? Andando a pé, quando deviam montar no burro?
O fazendeiro, então, ordenou ao filho:
– Monte no burro, pois não devemos parecer ridículos.
O filho assim o fez. 

Daí a pouco, passaram por uma aldeia. À porta de uma estalagem estavam uns velhos que comentaram:
– Ali vai um exemplo da geração moderna: o rapaz, muito bem refestelado no animal, enquanto o velho pai caminha, com suas pernas fatigadas.
– Talvez eles tenham razão, meu filho, disse o pai. Ficaria melhor se eu montasse e você fosse a pé. 
Trocaram então as posições.

Alguns quilometros adiante, encontraram camponesas passeando, as quais disseram:
-A crueldade de alguns pais para com os filhos é tremenda! Aquele preguiçoso, muito bem instalado no burro, enquanto o pobre filho gasta as pernas.
– Suba na garupa, meu filho. Não quero parecer cruel, pediu o pai.
Assim, ambos montados no burro, entraram no mercado da cidade.

– Oh!! Gritaram outros fazendeiros que se encontravam lá. Pobre burro, maltratado, carregando uma dupla carga! Não se trata um animal desta maneira. Os dois precisavam ser presos. Deviam carregar o burro às costas, em vez de este carregá-los.

O fazendeiro e o filho saltaram do animal e carregaram-no. Quando atravessavam uma ponte, o burro, que não estava se sentindo confortável, começou a escoicear com tanta energia que os dois caíram na água.”

Fábula 2: GANÂNCIA!

“Uma moça ia ao mercado equilibrando, na cabeça, a vasilha do leite. No caminho, começou a calcular o lucro que teria com a venda dele.
– Com este dinheiro, comprarei muito ovos. Naturalmente, nem todos estarão bons, mas, pelo menos, de três quartos deles sairão pintinhos. Levarei alguns para vender no mercado. Com o dinheiro que ganhar, aumentarei o estoque dos ovos. Tornarei a pô-los a chocar e, em breve, terei uma boa fazenda de criação. Ficando rica, os homens, pedir-me-ão em casamento. Escolherei, naturalmente, o mais forte, o mais rico e o mais bonito. Como me invejarão as amigas! Comprarei um lindo vestido de seda, para o casamento e, também, um bonito véu. Todos dirão que sou a noiva mais elegante da cidade. 
Assim pensando, sacudiu a cabeça, de contentamento. A vasilha do leite caiu ao chão, o leite esparramou-se pela estrada e nada sobrou para vender no mercado.”

Fábula 3: CULPA!

Um homem certa vez mandou forjar um machado e foi à floresta pedir às árvores que fornecessem um cabo para ele. As árvores decidiram que a oliveira deveria fornecer-lhe um bom cabo; o homem pegou-o, colocou no machado e começou a derrubar as árvores e cortar seus galhos.
Disseo o carvalho às outras árvores:
_Bem feito para nós. Somos culpadas de nosso infortúnios porque ajudamos nosso inimigo a arranjar o cabo. Somos a causa da nossa própria ruína.

Como você viveria sem esses três limitadores?

22 dias

Em um funeral de uma pequena criança, estava eu pensando na tristeza daquele caixãozinho tão pequeno, e, em todas aquelas pessoas que estavam enterradas naquele lugar, quantos sonhos e planos não-realizados. Uma música de exaltação ao Senhor Criador começou a tocar e fiquei visivelmente sensível à Sua presença. Por alguns segundos, parecia que não estava mais em um ambiente de dor e pranto.

Aproximei-me do pequeno caixão, fitando os olhos por longos minutos. Emocionei-me e fui aos prantos quando o Pai me fez uma pergunta indigesta: “E se fosse o marquinhos?”. Nessa época, marcos era filho único e estava com pouco mais de um ano. Logo retruquei: “Como assim?” e Ele me trouxe um entendimento que me encheu de medo, apesar do contentamento profundo que senti. Minha amiga tinha tido o privilégio de carregar uma vida dentro de si e tê-lo nos braços por 22 dias, eu já tinha visto o Marcos se sentar e sorrir, quanta graça de ter experimento isso…

Um movimento se deu em mim, Ele estava renovando minha mente no aspecto morte! Tirando a centralidade da dor e perda e colocando no centro, a gratidão e o contentamento. Lógico que aquilo era novidade e fiquei pensando, por alguns dias, que a qualquer momento, o Marcos pararia de respirar. Era como se minhas emoções não acompanhassem o novo entendimento. O medo dominava todas as vezes que me lembrava da cena. Várias vezes me aproximava do berço do Marcos para certificar-me de que ele estava respirando.

Não contei para as pessoas, tentando evitar que aquela nova proposta fosse real e viesse Dele. Passada essa fase, comecei a me emocionar e agradecer por coisas não usuais. O sorriso despretensioso do filhinho, o toque da sua mãozinha em mim, o cabelo que escorria em sua testa e tantos outros instantes. Me alegrava pensar que tinha tido o privilegio de experimentar até ali e que O Pai não tinha nenhuma obrigação especifica em ‘fazer a minha vida dar certo’, da forma que imaginava. Que eu era a devedora e jamais poderia me lamentar, nem pela morte. Um processo de tomada das emoções foi o que se deu.

O medo perdeu o protagonismo e a graça arrebatou o meu olhar cotidiano. Anos se passaram e a sedimentação da gratidão no lugar do sofrimento me pegou de susto no dia em que Marcos, então com seis (surpreendentes) anos de idade, trocou seu primeiro dente de leite. Chorei horrores pensando que já tinha passado cinco anos daquela experiencia e Ele continuava me agraciando com a companhia de um filho genial. Soli Deo glória!

Image

Cinema

E para não falar que não falei de filmes, seguem as considerações sobre os últimos três e [muito] bons filmes que vi no cinema:

– Renascimento do parto

Filme nacional que revela números e depoimentos assustadores sobre a indústria do parto cesariano no nosso país. Obrigatório para todos, tendo em vista a desmistificação de vários pontos a respeito do parto natural. Saí do cinema com um desejo ardendo no coração de contemplar várias casas de parir na nossa cidade. Lembrei muito das três gestações que tive e de como foi bom parir. É incrível como há ignorância, até no próprio métier médico, sobre o parto natural. Preciso escrever um post só sobre esse assunto que é riquíssimo e pouco comentado: a centralidade do parto normal não estar na dor, mas na vida!

– Elysium

Alice Braga e Vagner Moura no elenco e uma proposta que muito me interessa: o abismo que há entre os que têm muito e os que não têm nada.  Fui surpreendida durante o filme que revelou a mais antiga-atual mensagem da cruz: Para que outros vivam é necessário morrer.

Em um futuro que já é presente, dois mundos antagônicos coexistem, sendo que o primeiro somente se torna viável diante da exploração e miséria do segundo. Nada novo por aqui, no entanto, três falas me chamaram muita atenção, tornando a mensagem do filme densa. A primeira é uma freira velha falando para uma criança órfão que ela tem raízes e um destino que, se desenvolvido, fará diferença na vida de muitos outros, a segunda é uma pessoa afirmando que o personagem principal possuía as chaves do reino em sua cabeça e a última, e não mais contundente, é a afirmação de que essa mesma pessoa tinha um fogo dentro de si. Não vou explicar o motivo do meu interesse nesses três instantes. Assistam ao filme e tirem suas próprias conclusões. Depois, não esqueçam de comentar…

– O capital

Costa-gravas em seu melhor estilo critica e denuncia o escuso mundo do capital especulativo. Que os  governos estão nas mãos de meia duzia de banqueiros, já sabemos, que as multinacionais controlam as decisões de Estado também não é novidade. Agora, a maestria com que isso é colocado na tela, por um homem de 80 anos é magistral. Saí triste e pensativa sobre como naturalizamos o que não é natural. A miséria não é natural, a desigualdade também não, muito menos o sistema capitalista ou o socialismo. Por exemplo, durante o filme um cálculo simples é feito, se demitir 7 mil empregados, as ações sobem x por cento, se forem 10 mil, sobem uma porcentagem maior. No decorrer da história, demite-se 11 mil com a velha e indigesta justificativa de que é ‘a ordem natural das coisas’, onze mil são sacrificados para que 90 mil tenham seu emprego garantido e blábláblá. A história de Robin Hood é lembrada ao final, mas de maneira inversa, o salvador dos grandes capitais financeiros, aquele que tira dos pobres para dar aos ricos. Por favor, assistam!

Ele é real e fala!

Ao longo desses três anos de blog, já escrevi algumas vezes sobre o Livro, outras sobre amizade e diversas vezes sobre intimidade. São 3 pilares de uma coisa só: o conhecer e o prosseguir em conhece-Lo.

Tudo está no Livro, não há nada que fique fora da sabedoria e entendimento do senhor Criador, nada escapa do crivo Dele, tudo é visto e esquadrinhado. A amizade é coisa bela e transformadora e a proposta de ser amigo do Noivo, vale para todos. Na amizade, sabemos o que se passa com o outro, antes de qualquer palavra, o compartilhar é vital e os assuntos são inesgotáveis. Nunca enjoamos de ficar junto, estamos sempre dispostos para encontros e mais encontros. A intimidade é mágica, nos coloca em um lugar de sermos exatamente quem somos, arranca nossas mascaras e nos muda de dentro para fora.

Pensar que podemos viver tudo isso com o senhor Criador devia nos causar desespero e ação. Um entendimento profundo de que vivemos para isso, enchemos os nossos pulmões com esse objetivo e dormimos e acordamos com essa inquietude dentro de nós: Ele é real e fala!

Nunca houve o silêncio, de gênesis a apocalipse, Ele nunca se calou. Precisamos destampar os nossos ouvidos, estarmos sensíveis a sua doce e estrondosa voz. O Livro está disponível, encontros a dois também. Se estamos sensíveis, O ouviremos a todo tempo, uma nova realidade, novos referenciais, um olhar na eternidade, um movimento cheio de graça e leveza na terra.

Você O quer? Ele está aí disponível para você! Desfrute-O…

Artigo - Intimidade com Deus I - imagem

…e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada. Lucas 10:42

Nájila, 21′

Multidão de pessoas, muita gente falando

entre tantas que tinha, uma delas havia

moça disposta com olhar de brilho

moça bonita, comunicativa

em grupo de gente, uma gente destaca

nao-mediocre e a frente do tempo

era a moça dos olhos que brilhava

que se torna uma mulher que irradia

sal na terra, luz nas gentes

vocacionada, posicionada

um futuro que se abre

e o presente que já tem

o passado que se enterra

a sabedoria que inicia

tem um Pai de verdade

que ama muito além

cheia desse amor

mais amor para mais amor

cheia de vida Dele

vida para moças e filhas

uma mulher de destino!

najila

Amizade!

Afinidades, risadas, lágrimas

bem-querer, longas conversas

casos compridos, olhares devolvidos

 

suco de laranja, crepe de morango

jardim botânico, cinema europeu

 

visitas, alegrias, choros

muito amor, tranquilidade e paz

vidas vividas, ouvidos atentos

 

pontão, grama do parque

cafés, capuccinos, diversão

 

desabafo, saudade, confissão

histórias, mitos, reflexões

mulheres crescidas. balzaquianas meninas

 

livros de livrarias, sebos, recordações

poesias, poetas, fotografias

 

tatuagens, viagens, escritos

didáticas, dedicatórias, imersão

experiência, substancia, criação

 

Vida longa à amizade!

Uma ode ao instante!

Image

Ensino de quinta, o início.

Pensando sem parar em ensino, educação, sistema não-cartesiano e todas as ramificações que surgem desses três temas, resolvi, mais uma vez, relatar o que temos vivido. O objetivo será sempre a documentação pensando na outra geração. Estamos entendendo que o Pai requer de nós o aprofundamento no livro Dele. A velha máxima do ‘evangelho todo para todo homem pelo mundo todo’, resume o momento.

Brasília é uma cidade de governo, o que se constrói aqui pode alcançar todo o país e as nações. Estamos em um espaço geográfico estratégico, em um tempo importante. Sim! desejamos a volta do Senhor Jesus e entendemos que a nossa geração necessita trabalhar em prol disso.

O conceito de trabalho foi totalmente corrompido pela visão alienada que nos foi enfiada goela abaixo nas últimas décadas. ‘Agir orientado a algum fim’ será a visão do trabalho exposta nas linhas desse blog. Logo, orar é trabalhar, pensamento é trabalho e estudar também. Horas com Ele são horas de trabalho, momentos em um café com os amigos ou no chão rolando com as crianças, também, são ações orientadas para um fim específico.

Qual é o nosso trabalho nesse momento? Simplesmente o que o Rei estiver requerendo de mim e de você. Responder a isso é nosso trabalho: obedecer!

Diante dessa realidade, entendemos que as horas de leitura do pentateuco e as horas de discussão e entendimento do que se está lendo é um trabalho árduo e prazeroso, na verdade é uma correspondência.

Crown-Yeshua

No encontro de hoje, estávamos apenas em quatro e demos inicio a um tempo de descobertas e realinhamentos. Explanações sobre o Reino do passado, do presente e do por vir deram o tom das quase duas horas de aprendizado mútuo. Cosmovisão, sacerdócio, obediência, discipulado e Reino foram as palavras mais recorrentes. O ensino de quinta acabou com gostinho de quero mais e com uma carga de leitura de gente grande para a próxima semana.

Reproduzo aqui a última história da noite que foi lembrada por uns dos presentes, originalmente ouvida de outro trabalhador das bandas de Minas Gerais:
‘O marido deixou sua esposa sob os cuidados de seu amigo e quando retornou a encontrou grávida, o bebê nasceu e o marido reconheceu nele a face de seu amigo”

Em duas linhas foi traduzido o tempo que vivemos e reproduzimos. Se somos filhos de Deus, se temos um Pai que nos ama incondicionalmente, porque nos parecemos com homens?

KY - Refletido num Espelho_thumb[35]

Feliz aniversário, incrível Lalá!

Uma garota incrível

que sorri com os olhos

e chora sem lágrimas

uma menina linda

que alegra a casa

e pinta como ninguém

uma guria tão forte

que é carinhosa, destemida

cheia de iniciativa e amor

uma filha que arrasa

a frente do seu tempo

uma mulher de destino

que O ama na mesma

cadencia que 

respira

Feliz aniversário, incrível Lalá!

Image

Esperança

No ano de 2011, em uma aula acalorada de movimentos sociais, retratávamos as ocupações em Londres, primavera árabe, manifestações na Grécia, França e tantos outros países. E, fazíamos muitos comentários sobre a realidade brasileira apática e desprovida de exemplos parecidos.

Perguntei ao Criador, o que Ele pensava sobre tudo isso. Depois de alguns minutos, Ele respondeu que tudo o que vemos diante dos olhos, tudo que toma forma e é composto de matéria é apenas uma sombra do que Ele já fez.

Na hora, pensei sobre o sangue derramado na cruz e todas as anomalias materiais feitas com o elemento sangue: sacrifícios de animais e pessoas, vampirismo, mutilação… Pensei, também, na grande sombra da série crepúsculo em uma geração inteira e nos movimentos de Saul e Davi quando se assumiram Rei de uma nação, cujo Deus era o Senhor.

Em seguida, perguntei: o que, exatamente, Ele queria dizer? E a resposta foi: jovens, milhares de jovens que se levantariam como filhos posicionados, inteiramente governados pelo Rei e que de fato abalariam as estruturas de governo. Transformariam realidades baseando-se nos princípios invisíveis do Reino, mas bem mensuráveis: paz, alegria e justiça.

Desde então, não paro de pensar sobre as artes, educação, mídia, família, moda, economia, tecnologia, saúde, habitação, transformação de comunidades, sistema não-cartesiano… O que se desenrrolaria se não fosse mais uma sombra, uma farsa, mas árvores que dão fruto no tempo certo, frutos que alimentam muitos e que suas folhas curam?

O que está acontecendo hoje no Brasil é muito semelhante com o que, há menos de dois anos, ocorreu em outras nações. Pela nossa história isso é sensacional, o ‘país do futebol’ não se iludindo com a copa. No entanto, é somente uma sombra diante do plano do Criador.

Se a sombra de 1 milhão de brasileiros nas ruas do país ocorreu há algumas horas, o que esperaremos, então?

esperanca2

“Porque a ardente expectação da criatura espera a manifestação dos filhos de Deus. Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou, Na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora.
Porque em esperança fomos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará? Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos.
E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?”
Trechos da carta de Paulo aos Romanos – vide capítulo 8

Madame Guyon

A ideia é resgatar um pouco da história do movimento moderno de Deus na terra por meio de seus filhos e filhas posicionados. O  exemplo  que segue é bem especial.

Nascida em 1648, Madame Guyon viveu 69 anos. Até 1676, sofreu a perda de filhos, do marido, do pai e de uma grande amiga. Porém, tudo isso serviu apenas para que ela aprofundasse sua experiência com Deus. De 1674 a 1680 ela perdeu a presença de Deus, aprendendo, então, a andar por fé, não por sentimentos. Após isso, levou muitos à regeneração e a experiência da “morte do ego”.

O grande número de pessoas que, após ter contato com Madame Guyon, deixaram o mundanismo, o pecado e se consagraram a Deus despertou o ciúme de líderes católicos e mestres mundanos, que passaram a perseguir Guyon, Fénelon e La Combe, membros do clero católico que receberam sua ajuda. Embora muito popular e admirada por muitos membros influentes na corte seus pontos de vista logo foram suspeitos de heresia, foi consequentemente, perseguida e aprisionada várias vezes.

Seus escritos como “Torrentes Espirituais”, “Experimentando as Profundezas de Jesus Cristo” e “Experimentando Deus através da Oração”, cheios de realidade espiritual, influenciaram grandemente homens como o Arcebispo Fénelon, John Wesley e Watchman Nee. Sua autobiografia, escrita especialmente para atender à insistência de seu mentor, o padre La Combe, é notoriamente reconhecida como um dos maiores clássicos cristãos. Em vários livros encontramos menções dispersas desta autobiografia e de seus escritos, tentando resumir sua vida e obra.

Como ela ressaltou: “Espero que o que escrevo não seja visto por ninguém que possa ofender-se com isso, ou que não esteja em condição de ver estes assuntos em Deus”.

Citações de Guyon:

“A maioria dos cristãos não percebe que é chamada para uma relação mais profunda, interior, com o seu Senhor. Mas todos nós fomos chamados às profundezas de Cristo, tão certo como fomos chamados para a salvação”.

“Receba pela fé o fato de que qualquer coisa que lhe aconteça é o desejo Dele para você, nesse momento. Quando for ao Senhor dessa maneira, verá que seu espírito estará em paz, não importando qual seja a sua condição. Os tempos de sequidão serão a mesma coisa que os tempos de abundância, porque você terá aprendido a amar a Deus somente porque você o Ama, não por causa de suas dádivas, nem mesmo por sentir sua presença.”

“Ó, que tu possas compreender a profundidade deste mistério e aprender os segredos da conduta de Deus, revelados às criancinhas, mas ocultos aos sábios e grandes deste mundo, que se consideram os conselheiros do Senhor, e capazes de investigar Seus métodos, e supõem que obtiveram essa divina sabedoria, oculta aos olhos de todos aqueles que vivem em si mesmos e estão envoltos em suas próprias obras. Quem, por um vivo engenho e elevadas faculdades, sobe ao Céu e pensa compreender a altura, profundidade e largura de Deus?”

“Jesus Cristo foi o primeiro a entrar nessa experiência. Foi o Chefe de todos os abandonados, mas não esteve isento do cativeiro. Portanto, é impossível que tu estejas isento. Lembra-te sempre de que agradou-Lhe sair de todos os deleites que estavam ocultos no seio de Seu Pai para fazer-se o mais cativo de todos os homens. Lembra-te também que faz muito tempo que os patriarcas hebreus seguiram a mesma senda. Alegria, deleites… e cativeiro! Os primeiros crentes da nova aliança vieram e seguiram a ordem dos patriarcas e de seu Modelo divino, Jesus Cristo. Mas tu perguntarás: “Por que todos temos de passar por esse caminho? É para que todos cheguemos ao ponto da infelicidade?” Claro que não. O gozo é uma promessa na terra de Abraão, uma terra que está lá, além do cativeiro. Que terra é essa? Essa terra é possuir a Deus! Mas, ah, quanto há por fazer a fim de possuir essa terra! Há sofrimento que temos de conhecer!”

“Há que deixar que os homens pensem de nós o que queiram; não há que agradar os homens, senão a Deus”.

13_m_guyon

Ocupe-se Dele! (156)

A onipresença de Deus é um conceito bem familiar para a maioria. Sim, Deus está em todos os lugares, mas até que ponto reconhecemos isso?

A.W Tozer, em seu obrigatório livro À procura de Deus, nos confronta da seguinte forma:

“Se Deus está presente em cada ponto do espaço, se a todo lugar que vamos Ele lá se encontra e nem mesmo possamos conceber um lugar em que Ele nao esteja, nesse caso porque essa presença divina não é o fato mais exaltado em todo o universo?”

Porque não exaltamos isso no nosso cotidiano. Uau! nunca estou só, Ele está aqui… Deus é real, apesar de invisível!

Como seria uma vida com esse novo e tão velho referencial?

No restaurante, para o almoço no meio do expediente, sentar à mesa com ele, depois de passar a manhã o incluindo em tudo que foi feito. No cinema, uma discussão criativa sobre o roteiro o a fotografia. Na faculdade, perguntas sobre o que Ele pensa a respeito do professor que é apologista… Imagina você, um dialogo constante e surpreendente com o criador de todas as coisas?

Um exercício prático para isso, recomendado por Ele é “veja se percebe o quanto voce gasta energia conversando consigo mesmo, por que não conversa Comigo? Me inclua…”. Simples e direto! Gastar energia com Ele, compartilhando tudo que ocupa a mente.

Talvez seja um caminho de intimidade para percebermos a manifestação da Sua presença, que está disponível e, é irrestrita.

“Na verdade o Senhor está nesse lugar e eu não o sabia” Gn 28:16

Nunca mais solidão e medo,uma certeza inabalável de que há comunicação entre nós e Ele, sempre!

Image

O instante

Um destravar, já pensou em escrever tudo que lhe vem a mente? Tipo agora, penso sobre o que pensarei daqui há 2 instantes e quero dormir logo, mas esse é o único tempo de silêncio, durante todo o dia. Silêncio externo, porque interno estou me exercitando e tem sido ótimo, momentos de silêncio durante a rotina e turbilhão do dia a dia.

Pareço acelerada?

Não estou tanto, mas tenho picos que sobem de repente e sem avisar descem, beirando a estabilidade.

Acelerada, agora, estou, pensando na possibilidade de uma visita de longe como presente de aniversario, é isso mesmo, até que enfim posso dizer que meu aniversario será mês que vem.

Gosto tanto de celebrar, que ontem celebramos a morte do hamster, calma, me deixa explicar, não estávamos felizes porque o bichano morreu, mas fizemos um evento com o episodio.

O bichinho foi tão apertado, tão  beijado e acarinhado pelo trio, que mais parece uma gangue, parido por essa que vos escreve, que não aguentou. Morreu de amor. O pequeno coração do mamífero sucumbiu à dose cavalar de amor incondicional dada por 2 crianças meio estilo ‘felícia’ e 1 totalmente ‘felícia’.

Vocês teriam amado o enterro mais cheio de pompa da história do mundo dos ratos: convidados mais que ilustres, flores, lápide com lantejoula e purpurina e a imortalidade de ser enterrado no quartel da cavalaria. Muito legal!

Ser amado é bom demais, quem dera se morrêssemos diante de tanto amor do Pai. Seria ótimo uma semente debaixo da terra para que uma arvore frondosa, cheia de frutos, com folhas que saram e sombra para muitos, crescesse….

Devaneios a parte, a hora avança e o dever me chama, quero muito escrever algo com sentido da próxima vez…

Posso vê-Lo!

Um dia comum,só que não

Mais um dia comum se não fosse pela presença avassaladora Dele. Crianças pedindo todinho, algumas horas na cozinha, um almoço com família e amigos, CP com vocacionados e crianças maravilhosas, quase um passeio de carroça, conversas sobre o Reino e o futuro, aniversário com os filhotes e a filhota, companhia do marido e, imaginei por alguns instantes, uma bela noite de sono… Ledo engano!

Estava decidida a não ir ao Setor naquele sábado, sem motivação, sem propósito, sem coragem, sem carro… Já havia avisado que ficaria em casa, mas fui surpreendida por um desejo de estar. Sabe aquela vontade de ir sem explicação porque nao gostaria de arredar o pé? Era exatamente isso, então simplesmente fui. De carona e muito bem  acompanhada, cheguei ao setor depois de uma chuva tórrida. A cena era inesperada: varias viaturas, muitos policiais e, no mínimo quatro dezenas de homens e mulheres sem blusa recebendo o famoso ‘baculejo’, todos com mãos para cima e rosto na parede. Desci do carro e a galera estava adorando e intercedendo, entrei instantaneamente no clima a ponto de não consegui estabelecer nenhum outro dialogo que não fosse com o Rei.

Momentos de dor, choro, entusiasmo, alegria, tristeza e esperança se alternavam em um mix de experiências. A presença Dele era real, muito real. O Leão da tribo de Judá estava bem ali para um estabelecimento, uma visita, uma transformação.

O Reino invisível: paz, alegria e justiça. Vem abalar o abalável para que venha e permaneça o Teu Reino inabalável.

Mulher moderna

Conversaremos um pouco sobre a mulher moderna. Tenho questionado ainda mais esse tema pelo fato das minhas jornadas de trabalho terem se acentuados nos últimos meses.

Fui surpreendida pelo marido falando que eu era boa mãe, boa esposa e boa amante. Achei o máximo, mas fiquei pensando: ‘nossa! quantas tarefas exercidas e nem estou pensando nos papeis de amiga, filha, conselheira, menina e mulher’. E se, ainda, acrescentar o papel de estudante e profissional? Já cansei só de mencionar. Aff.

Então, vamos lá! O que é ser uma mulher moderna?

Vários papeis, mil atividades, um misto de alegria, desespero e superação? Choros e risos descabidos e incontroláveis, rotinas e embaraços, surpresas e aventuras? O que mais? Alegria quando o dinheiro do mês trabalhado cai na conta, mas desespero quando se lembra do colégio das crianças ou do financiamento da casa? Tristeza de lembrar que amanhã a louça vai sujar outra vez e consolo em pensar que comer à mesa com a família é um dos momentos mais sublimes da vida?

O que você me diz sobre acordar na primeira hora da manhã pensando em todas as atividades que deverão ser desempenhadas até a meia-noite, tomar um banho, ficar linda para encarar o trânsito, o chefe, as cobranças e toda sorte de coisas disponíveis na selva da modernidade? Ligar várias vezes em casa para saber como estão as crianças ou avisar sobre algo importantíssimo que esqueceu, como o ciente na agenda do colégio, a hora do remédio ou o cardápio do almoço e lanche escolar? E se acrescentar à lista: Pegar as crianças na escola (de longe a hora mais esperada do dia), dividir a atenção, pensar no jantar e lembrar da oração?

O relógio avança e a cama se aproxima. Um momento a dois, um café para dois e começa o amanhã sem pedir nem licença…

Porque tudo isso se tornou normal para nós, sexo frágil?!?!?!?!

Sou o espectro disso, cheia de atribuições e responsabilidades, assolada pela independência e sendo amada por um Deus bondoso que se materializa por meio do marido, filhos e amigos. Uma mulher moderna amada! Agora, me responde você, como ser apenas mulher e amada? Afinal de contas, não fui eu quem queimou os lendários soutiens em uma fogueira que nunca existiu, há trinta e oito anos. Nem havia nascido, droga!!!

mulher moderna

Alma e suas implicações

Resolvi escrever alguns motivos sobre a necessidade de nos atentarmos a nossa alma e todas as suas implicações, tendo em vista que estamos tão familiarizados com alguns conceitos, mas tão pouco bem resolvidos.

Começo com 3 pontos:

1)      …eis que faço novas todas as coisas… sim, é verdade!

A partir do momento que conhecemos e nos rendemos a Jesus, um campo novo se abre diante dos nossos olhos. Nesse momento, novas sementes deverão ser semeadas e as sementes antigas deixadas de lado. O novo sendo vivido a cada dia. No entanto, estamos acostumados e viciados em práticas e hábitos que nos fazem semear com as velhas sementes, na maior parte das vezes.

A ciência expõe os caminhos cerebrais que fazemos para termos uma ou outra atitude. Induzimos o nosso cérebro com a prática constante e incessante de agir de forma repetida diante das mesmas circunstancia. Por exemplo, em um sistema religioso, a pessoa almeja uma carreira humana. Talvez algum dia chegar a ser pastor ou algo parecido e aprende durante anos e anos que mais vale o que se tem e o que se conquista do que o que de fato se é. Nesse cenário, o senso de significado e valor estão deturpados e toda e qualquer construção a partir daí pode ser um desserviço para uma geração.

Ele nos chamou, a cada um de nós, desde o ventre de nossa mãe. Ele também deu uns para apóstolos, mestres, pastores, evangelistas e profetas, estabeleceu o sacerdócio real, nos posicionou como filhos e liberou o acesso a Ele. O nosso destino é sermos filhos amados e posicionados desde já, não apenas quando estivermos face a face. O presente é um presente e a eternidade já esta valendo!

Vivendo para Ele, com Ele e por Ele em um referencial de eternidade real e prático.  Com princípios simples e verdadeiros passamos por uma desconstrução e a cada tijolo retirado do edifício que somos nós, temos uma proximidade com a construção viva e eficaz de Deus em nós: a novidade de vida, as boas novas, a boa, perfeita e agradável vontade do Pai. Somos pedras vivas!

2)      ‘preciso de um método para ser curado…’ quero respostas rápidas e indolores.

Uma escola, uma clinica, uma oração, uma libertação, um mapeamento e tantas outras coisas que assumem rapidamente o centro da nossa vida com Deus não é a  necessidade primordial. Clinicas, oficinas, escolas, congressos, palestras, mapeamentos ou qualquer outro tipo de trabalho que se proponha a lidar com a nossa alma não vai resolver exatamente nada nas nossas vidas, se não formos entregues cotidianamente ao Mestre.

A libertação vem, definitivamente, da aplicação de princípios, de um relacionamento real com o Noivo e não de fórmulas, métodos ou campanhas. No entanto, fomos formados em sistemas religiosos e não em um ambiente de discipulado e intimidade com o Rei e precisamos assumir isso!

Passamos anos e anos de nossa caminhada cristã chamando a ausência de Deus de presença e arrisco dizer que ainda cometemos esse erro. Estamos familiarizados com todas as práticas cristãs (oração, jejum, perdão, atos de justiça, paz, alegria no Espírito…), mas não somos consistentes e práticos para aplicá-las. Uma base sólida de princípios e fundamentos é o que precisamos.

Todas as estratégias humanas que algum dia foram inspiradas pelo Mestre devem servir como instrumento, ferramentas para conhecê-Lo e prosseguir em conhecê-Lo. A Sua palavra liberta e está disponível. Uma leitura aguçada e despretensiosa das escrituras, encontros marcados com o Mestre, uma conexão constante com o Pai, o falar em línguas diuturnamente e a diligencia em confessar e se arrepender são os caminhos mais sólidos para uma casa construída sobre a rocha. Vale muito a pena!

3)      “Preciso ser curado para ter uma vida boa e sonhos nobres…”

Nesse ponto, contra-argumentamos a afirmação anterior com o simples: “sermos curados para curar”. Não pode existir nenhuma outra motivação para buscarmos a cura da nossa alma, possível somente em Cristo, se ela não alcançar o próximo. A cura nunca deve ter um fim em si mesmo, ela não cura se for tratada dessa forma. Valemos de Isaias 58, em que o trecho escolhido fala por si mesmo:

‘Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne? Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do SENHOR será a tua retaguarda.’ Isaías 58:6-8.

Todas as palavras destacadas impelem a uma ação, a nossa cura necessariamente passa pelo outro: ‘…se confessarmos nossos pecados uns para os outros, somos  curados.’ A cura para ser consistente deve alcançar o próximo! O real entendimento de que somos co-participantes do outro, interdependentes é exigido se queremos mesmo o governo e controle de Deus para esse tempo.

A proposta do verdadeiro jejum está posta diante de nós e a promessa de uma cura que brota apressadamente também. Ousemos crer na palavra de Deus e na realidade pungente do Noivo e não em métodos ou receitas.

cuide-se

Clube da Leitura

Em 2009 tivemos uma experiência riquíssima chamada Clube da Leitura. A proposta era bem simples: ler um livro por mês e compartilhar em grupo da leitura.

Desde o primeiro encontro, descobrimos o quanto seriamos transformados naquele processo e um dos subprodutos foi aprender a ouvir mais e falar menos (acreditem… eu ouvia bem menos e falava bem mais rs). Todos deviam ouvir sem interromper o leitor que descrevia suas experiências da leitura do mês e dessa maneira, todos teriam também a sua vez de compartilhar. Não éramos julgados, nem interrompidos, nem manipulados, simplesmente éramos nós mesmos durante cada um daqueles encontros.

O objetivo desse  post tão nostálgico é listar os livros que foram lidos durante a primeira e ainda única edição do Clube da Leitura.

Por ordem de leitura, segue a lista com os links correspondentes dos livros que estão disponíveis para dowlond:

1º)          Perfil de Três Reis – Gene Edwards

2º)          A Procura de Deus – A.W Tozer

3º)          Obreiro Aprovado – Coty

4º)          Em nome do Pai – Larry Crabb

5º)          Simplesmente como Jesus – Max Lucado

6º)          O Obstinado Amor de Deus – Brennan Manning

7º)          Livro de Romanos – Paulo de Tarso

8º)          A isca de Satanás – John Bevere

9º)          O Homem do Céu – Irmão Yun

10º)        Porque Tarda o Pleno Avivamento – Leonardo Ravenhill

11º)        O Desafio de Ouvir e Obedecer a Deus – Joy Dawson

12º)        O Poder da Humildade – Steve Gallagher

13º)        Quando o Céu invade a Terra – Bill Johnson (encontro por acontecer)

Um banho de chuva para a glória de Deus!

Hoje, enquanto dezenas de pessoas estavam paradas na estação do metrô esperando, certamente, a chuva passar, eu, estava exultante com a possibilidade de um desejado e delicioso banho de chuva…

20 maneiras de glorificar a Deus tomando um banho de chuva, livremente inspirado em texto de Spurgeon!

1) Você não corre o risco de ficar parado murmurando porque está chovendo e não induz ninguém a reclamar dizendo coisas do tipo “parece que está engrossando”;

2) Lembra-se de todas as cenas maravilhosas de chuva no cinema e agradece a Deus pela liberdade  de experimentar um banho de chuva depois dos 30 anos de idade, em ‘dia útil’, voltando para o lar;

3) Não se culpa (ou culpa a Deus) por ter esquecido a sombrinha em casa, no trabalho ou no metrô;

4) Simplesmente entra na chuva com uma alegria imensa pela vida;

5) olha para o alto e glorifica o criador pela maravilha que é a água cair do céu;

6) conversa com ele sobre a importância de se beber mais água diariamente;

7) lembra da amiga querida que depois de uma grande batalha contra o câncer pôde se esbaldar em um banho de chuva;

8) abre os braços olhando pra cima e deixa a água bater forte no rosto enquanto ri para Ele;

9) agradece ao Pai por morar em um país que possui 17% da água potável do mundo e se lembra das mulheres da comunidade santa Luzia que precisa apanhar água da chuva para fazer comida;

10) ora pelos irmãos que hoje precisam reciclar a água do esgoto em diversos lugares do mundo e também por aqueles que plantam, mas não colhem pela falta de água;

11) se conscientiza sobre a responsabilidade de ensinar aos filhos a importância e a urgência de cuidar desse bem dado pelo criador de todas as coisas;

12) anda bem lentamente misturando lágrimas com a água que cai do céu, enquanto se emociona com o fascínio de se ter um Pai amoroso e real, apesar de invisível;

13) se alegra demais em programar um banho de chuva com as crianças na próxima oportunidade e agradece a Deus pelo privilegio de se ter filhos;

14) lembra de momentos marcantes e nostálgicos de banhos de chuva com o marido que é também amigo, pastor e amante para a glória de Deus

15) exercita a fé quando vem o relâmpago, pedindo proteção a Deus para não sofrer dano algum durante o banho maravilhoso;

16) abençoa aqueles que, de propósito ou não, passam de carro e espirram lama para todo o lado;

17) se emociona em pensar o quanto a água é vida e como Ele é bom de ter dado à humanidade bem tão precioso;

18) pede misericórdia a Deus e estratégias para os filhos e a próxima geração lidarem com o sistema de forma subversiva, principalmente, quando a água potável for um produto totalmente usurpado pelo capitalismo selvagem;

19) agradece a Ele o tempo todo pela companhia tão agradável e pelo belo momento proporcionado sob o céu que se desmancha em água;

20) no elevador avisa os vizinhos secos o quanto eles perderam uma experiência maravilhosa de contato com Aquele que criou todas as coisas…

Hebreus 2 despretenciosamente

O capítulo dois da carta aos Hebreus começa intrigante. A sugestão de Paulo é que sejamos diligentes com o que já temos ouvido da parte do Pai para que não haja um desvio no percurso. Especula-se que um grau de alteração no presente compromete significativamente o futuro. Temos um exemplo bíblico no momento em que Saul resolveu por si mesmo tomar as rédeas e não esperar. Não ouviu a voz de Deus, tomou decisões baseando-se nas circunstâncias e pressão e por fim, com seu braço forte decidiu continuar. Ações que podemos repetir sempre. O conceito de diligencia é simples, ter presteza em fazer alguma coisa, ser zeloso. O que nos remete à frase de Cervantes “A diligência é a mãe da boa sorte.” Ser diligente é ingrediente essencial para a palavra do cumprimento. Já ouvimos demais! palavras, profecias, livros, escrituras, conselhos. Precisamos caminhar sobre o que já temos ouvido, zelar por cada frase mencionada pelo Pai para nós. Ele preparou um mundo futuro não para ser sujeitado por anjos e seres invisíveis, mas pelo coroado de glória e de honra, aquele que foi feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte e pela graça de Deus provou a morte por todos. Ele veio a terra, pisou na terra, cresceu, se relacionou, chorou, sorriu. Que bom pensar que Jesus sorriu, frequentou festividades, procurou amigos, surpreendeu pessoas, viveu como homem. “E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo”. Ele livrou a todos do medo da morte, do destino certo de servidão. Foi em tudo semelhante não aos anjos, mas à descendência de Abraão, a homens e mulheres! Com um objetivo claro de ser sumo sacerdote misericordioso e fiel ao plano de Deus para expiar os nossos pecados foi tentado em tudo, padeceu de dor, humilhações, morte trágica, foi consistente do inicio ao fim e desde então socorre a todos nós que somos tentados. Ele é poderoso para fazer muito mais…

Observação: o capitulo dois fala um pouco sobre morte e a ausência do medo dela, vou deixar esse assunto para falar em um post exclusivo.

Hebreus 1 despretenciosamente

Um das funções da História é aprendermos a olhar o mundo de forma retrospectiva e perspectiva. Que tal um olhar novo sobre o livro de Hebreus? Um olhar despretensioso, cheio de curiosidade? Uma visão não-familiar para um novo desenrolar? Essa é a proposta da leitura compartilhada, que inicia hoje, das cartas aos judeus messiânicos.

O ponto pacifico logo no inicio da carta é a afirmação de que Deus fala de diversas maneiras, e, daquele tempo até os dias de hoje está falando por meio de Jesus, o resplendor da glória de Deus, a expressão exata da Sua essência, aquele que sustenta o universo por sua palavra e o purificador de todos os pecados. Os anjos nunca ouviram que são filhos de Deus, nem foram adorados, tampouco foram convidados para se sentarem a direita do Todo-poderoso. O nome de Jesus é superior aos anjos e a grande desconstrução de Paulo para os hebreus era a necessidade de acreditarem na palavra do Libertador. Uma nova legislação espiritual era apresentada naquele momento…

Quando Deus enviou seu filho ao mundo, afirmou que “todos os anjos de Deus o adorem”. Se os anjos têm essa prerrogativa, o que diremos de nós?

Adoremos-O!

O Sopro do Consolador por Rebeca

O pregador diz: – Eu não sei como foi a sua semana…

O meu silêncio responde: – A pior de todas.

O pregador repete: – Eu não sei como foi a sua semana…

Como se em um último suspiro pudesse se expor: – Nesta semana o sangue fluiu para fora de mim levando meus sonhos como um vento, minha alma segue o fluxo, esvaindo-se… e meu corpo segue respirando, vez por vez.

O pregador insiste: – Eu não sei como foi a sua semana…

Eu, tangível pelo toque, respondo: – eis aqui o que sobrou de mim, traga-me de volta para que o sonho volte ao ventre e a sorte seja restaurada.

Então o pregador respira: – Ele te ama.

O fluxo faz o coração vibrar no compasso do céu. A alma se acomoda no seu lugar. O desejo faz os pés saírem do chão para que a história ocupe o seu lugar: apenas na história.

Os filhos voltaram para o Pai. O ventre não ficou vazio.

O amor transborda nele.

Versão original: http://rebecamoreira.blogspot.com.br/2012/10/o-sopro-do-consolador.html

Cálice (153°)

quero te encontrar em um lugar para dois

onde tu estás quero me achegar num sussurro ou olhar

quero me embrenhar, quero desfrutar, quero me humilhar

tu és o deus forte, o deus amoroso, um deus que conspira

tu és o eu sou, e é quem já foi, quem sempre será um dia voltará

nao quero a surpresa quando o dia chegar, o que quero não nego

apenas sussurro vem amado, vem ficar

morada fazer, habitação quero ser, em ti me perder

me livre de mim, liberta-me de mim, afasta-me de mim

quero ser a extensão, quero a simbiose em questão, quero a ti mais que tudo

nao importa o ar, o sangue correr, o cérebro pensar

tu és desejado, tu és mui amado

desesperada  me torno pela paixão no madeiro

enlouquecida me vejo quando olho o cordeiro

tu és tão real, mais real do que tudo que a matéria não peço

invisível se encontra e nada me impede de ver tua face

horas contigo, comparecendo em ti, pairando nas nuvens

os dias são teus, semanas te dou, os meses te entrego

uma vida inteira que sirva apenas para te conhecer por inteiro

quando o dia chegar só vou me alegrar porque já sei quem tu és

um amor inteiro, um amor certeiro, o amor que existe

obrigada deus meu, obrigada por tudo, eu te dou o que sou

os defeitos e falhas, qualidades e dons, as perguntas e sons

no processo me lanço, reparando os detalhes, as cores e sabores

o que quero de ti não é chegar ao fim, mas te encontrar no detalhe

uma vida devota sem ao menos passar meia hora sem estar

arrebata meu ser, me altera em ser, me apresente o cálice e me permita tomar

vem me transformar…

Big Mac

Hoje é dia de Big Mac! Sim, essa era a frase repedida ao longo do dia quando nos lembrávamos do encontro na praça do povo. Foram levados mais de quarenta sanduíches para servirmos aos viciados que perambulam durante a madrugada no setor comercial sul. Dias antes havia sido  noticiada a morte de um morador de rua naquele mesmo lugar, foi encontrado exatamente no banco que utilizamos durante a nossa estada no local. A tristeza abateu a minha alma e não conseguia dormir naquela noite. Mais duas pessoas, E. e A., foram encontrados próximos ao corpo e estavam desacordados, conhecia a E., uma moça cadavérica e jovem que fuma a desgraça da pedra a anos a fio. No outro dia as noticias era que essas duas pessoas não corriam risco de morte e estavam no HRAN sem direito a visitas de “desconhecidos”. Descansamos um pouco com o livramento, mas ainda não reencontramos essa filha que anseia, mesmo sem saber, em estar com o Pai. Em meio a big macs, no meio da madruga, aparece pela primeira vez um travesti interessado em fazer um lanchinho. Falei sobre os sanduíches, ele se animou e trocamos algumas palavras, logo se apressou para ir embora, alegando a necessidade de trabalhar. Olhei em seus olhos e afirmei que a rua não era seu lugar, que ele tinha um Pai e podia voltar para casa. Abro um parentes aqui para dizer que a afirmação de que a rua não é lugar para aquelas pessoas é uma regra no trabalho durante a noite, estamos disponíveis para amá-los e serví-los e também para avisá-los que eles tem um Pai que os aguardam. Mais um rosto dilacerando a minha alma, colocando vísceras para fora e gemidos no ar, Priscila é seu nome de guerra.

2115259 (clique para assistir ao vídeo da noticia)

Inalação maldita!

A semana se passou e a expectativa era crescente com relação a chegada do próximo sábado. No primeiro dia conhecemos um rapaz que estava sob o efeito do crack, chegou à roda e foi logo pedindo o violão, para nosso espanto começou a tocar muito bem e cantou músicas de sua autoria salmodiando a Deus. Uma experiência com a graça de Deus se materializou e percebemos que O Pai foi atraído aquele lugar. Um rapaz jovem, ex-ministro de louvor e compositor, um menino novo que estava se afundando nas drogas e foi atraído por Deus à praça do povo naquela madrugada. Entramos em contato com ele durante a semana e o segundo espanto foi descobrir que apesar do estado entorpecido, no qual se encontrava, o F. se lembrava de tudo que havia acontecido, inclusive da intensidade das orações que foram feitas sobre ele naquela mesma noite. Enfim, chegou o segundo dia de setor comercial sul! Lanches dos mais diversos, a visita de F., uma mesa improvisada na escada e a total disponibilidade para o serviço era o cenário daquela madrugada. Deparamos-nos com um acesso maior aos freqüentadores da praça, muitos deles resolveram comer ali mesmo na escada enquanto balbuciavam algumas palavras conosco. No encontro anterior, havia conhecido a “galeguinha”, uma moça de no maximo dezoito anos que viveu mais de três quartos de sua vida dentro da igreja e já foi avisando logo que conhecia a palavra e sua mãe era diaconisa. Fiquei interessada em sua historia, mas, antes do que esperava, ela se levantou e foi embora a passos largos. O SCS agora tinha rosto, a mazela da pedra, a partir dali, se tornou mais pessoal ainda, uma moça com a metade do peso que deveria estar, parecendo um machinho me fez pensar muito no scs até aquele segundo encontro. Quando estávamos pensando em irmos embora a galeguinha aparece um pouco tensa avisando-nos que apanhou durante a semana e que, inclusive, havia nos procurado para orarmos por ela. Falei que podíamos orar ali mesmo e ela aceitou, no entanto a impotência me tomou de assalto e não conseguia pronunciar uma palavra, apenas perguntei ao Pai  o que deveria dizer.   Ele me levou a abraçá-la e ela começou a chorar e lembrar de sua mãe, de sua casa e família, a dor era intensa dentro de mim e a certeza de que Deus a estava atraindo com cordas de amor era palpável. Mais uma vez, galeguinha saiu a passos largos e a minha dor diante do Rei era brutal… Na próxima semana não estaria presente e durante aqueles dias conversava com o Pai sobre a Sua vontade para os filhos e filhas que estão na dependência da pedra, crendo na manifestação do seu poder para neutralizar os efeitos cruéis e destruidores da inalação.

SCS

Saímos em grupo com a proposta de adorarmos a Deus na rua e levarmos algum alimento para os moradores dela. A parada foi o Setor Comercial Sul, mais precisamente a praça do povo, um lugar escuro e descuidado, um ponto de tráfico e violência. Descemos a comida e começamos a cantar algumas músicas com a expectativa da chegada de moradores de rua, logo no início percebemos no ambiente a quantidade de pessoas usando crack, homens e mulheres vagando de um lado para o outro, acendendo os seus cachimbos improvisados. Alguns observavam de longe e quando oferecíamos o lanche chegavam mais perto como um passarinho que pega a comida e logo se afasta. As tentativas de conversa e aproximação eram  frustrantes, depois de uma hora já não sabíamos mais qual era a finalidade de estarmos ali, decidimos então simplesmente intercedemos e adorarmos ao Rei naquele lugar, sem nos preocuparmos com a receptividade das pessoas que perambulam, dormem e vivem na praça do povo. Assim o fizemos, e, Deus começou a construir o motivo da nossa ida aquele lugar. Avisou-nos que nada adiantaria se não houvesse  um compromisso semanal de estarmos ali buscando conhecê-Lo mais, o que nos levaria a amarmos aqueles desconhecidos zumbis que também foram feitos à imagem e semelhança Dele. Resgatou o conceito de igreja como a reunião dos santos para manifestação dos dons e edificação do corpo. A proposta do Pai era: reúnam-se nesse perímetro, nessa praça semanalmente e fiquem atentos ao que tenho para fazer, que o cordeiro receba a recompensa pelo seu sacrifício. Dessa maneira, aceitamos o desafio com alegria e temor!

“Mas aí, se quiser se destruir, está no lugar certo. Tem droga e cocaína sempre por perto” Mano Brown

Voce faz toda a diferenca!

Quando a conheci era uma menina de cabelos curtos, hoje olho uma mulher de cabelos longos.    O que já vivemos juntas em mais de dez anos? Sua presença no meu casamento, ainda não éramos amigas, mas depois de uma década e bom demais saber que fez parte desse momento. As nossas conversas madrugada adentro, risos e choros sem lamento, os filmes compartilhados, pecas analisadas, mundos redescobertos. Os passeios fora de shoppings, a grama como tapete, visitas longas a livrarias, formaturas e seu casamento. As cartinhas de aniversarios, as fotos de tantos momentos, uma vida compartilhada independente da geografia e do tempo.

Oracoes contruidas, silencios cirurgicos, palavras soltas ao vento, o cálice trocado, o cálice tomado. Almoços, jantares, lanchinho, o amor no suco de laranja, o debate afiando a dança. Te conheci antes dos vinte e agora depois dos trinta só posso dizer obrigada por me conhecer. Pra voce uma nov-idade, um tempo de fertilidade, a semente que ninguém vê se tornar uma árvore ao alvorecer. Rebeca minha amiga linda, eu amo voce… 

 

TPM: Tempo Para Mães!

A TPM conhecida como tensão pré-menstrual (nome ridículo) nunca me afetou. Até hoje penso que a centralidade que esse período tem na vida de algumas mulheres beira a loucura. Todo mês convivo com a bandeira vermelha e definitivamente odeio a sujeira, a ausência de sexo, o gasto com absorventes e a preocupação se manchou ou não a roupa, e, só. Não tenho estresse com isso, dores abdominais, vontade de chorar ou exasperação. Tenho esses sintomas por outros motivos não por estar perto de descamar. No entanto, acho as siglas bem interessantes por serem extremamente populares entre mulheres de todas as faixas etárias. E posso adiantar que tenho muita TPM se o significado for qualquer um desses: “tô pirada mesmo”, “tentando praticar misericórdia”, “toda pessoa muda”, “tempo para meditar”, “tudo parece melhor”, “totalmente pirada e maluca” “tenho pagado mico”, “tenho pensado muito” e tantos outros…

Agora, chega de enrrolaçao e vamos ao que interessa, esse post somente ganhou vida porque estou planejando um encontro mensal de mulheres-mães que vai se chamar, óbvio, TPM.

Mães de primeira viagem, aquelas que ainda não são, mães de muitos ou de poucos, mães de adultos ou de crianças, mães que gostam e aquelas que desgostam, mães que não padecem e as que padecem, mães desesperadas, mães alienadas, mães alucinadas, mães leitoras, mães alegres, mães simpáticas, mães emblemáticas, mães depressivas, mães hipocondríacas, mães estudantes, mães noveleiras, mães solteiras, mães modernas, mães caladas, mães que gritam, mães que choram, mães que mentem, mães que gargalham, mães que não sabem porque cargas d’aguas se tornaram isso um dia, mães altas, gordas, magras, baixas, negras, brancas, ruivas, mães adolescentes e mães aborrescentes…

Para todo e qualquer tipo desse tipo chamado MAE lanço o convite: a partir de julho TPM: Tempo Para Mães!

Encontre caminhos… (152)

A minha cabeça está indo a mil nas ultimas semanas, nem me lembro o ultimo texto que escrevi, mas a cada dia tudo vira um post, pena que não tenho tempo para a atividade que se tornou um luxo diante do cotidiano veloz. A idéia pode estar pronta na mente, mas demanda tempo para se materializar na tela. E agora, ainda, estou pensando, nesse pouco tempo que tenho para juntar as teclas, sobre o que falarei. Vamos lá! O assunto mais interessante e rico diante de tantos bons temas continua sendo o Reino e o seu Rei.

A bíblia diz que somos como a fumaça, como uma folha que hoje está aqui e amanha desaparece no vento, fala sobre uma pátria futura e sobre uma cidadania do Alto. Relata traslados, ressurreições, e afirma que viver é cristo e morrer é lucro. Todos sabem que viver é bom demais, afinal até os suicidas só se matam porque viver torna insuportável, não porque odeiam a vida, mas porque a amam demais para aceitar da forma que está. Amam tanto a vida que não aceitam menos do que aquilo que pensam ser o melhor para eles, ficam vulneráveis, se precipitam, se matam.. Uma atitude precipitada tem como fruto constante a morte de algo, somos uma geração de precipitados, não conseguimos mais esperar. Há menos de um século foi estipulado que uma aula duraria 55 minutos, tempo bastante para que os alunos se concentrassem e absorvessem novos conceitos em suas mentes, a pesquisa de atenção concentrada feita nesse século vinte e um comprovou que são sete minutos apenas o poder de concentração em nosso tempo. Precipitamos-nos nos relacionamentos, nas decisões e nas palavras. Não queremos o processo e lutamos como selvagens pelos resultados. Assumimos fardos e pesos que não nos pertencem e sobrevivemos aos dias dopados pela religião, drogas, pornografia e entretenimento. Uma geração de dopados irreflexivos, zumbis consumistas e sepulcros caiados. Viciados na mediocridade e amantes do conformismo.

O Reino de Deus exige mais, demanda por fracos arrebentados que se fortalecem com o fato de não serem nada e se tornarem totalmente dependentes da graça e misericórdia do Rei. A afirmação é categórica de que o Reino do Rei é conquistado por esforço, força, violência e luta. Os precipitados não têm vez por se acharem auto-suficientes demais e os retardatários também não por serem como o jovem rico que passou o resto dos seus dias pensando o que poderia ter acontecido se tivesse doado toda a tralha que possuía numa correspondência ao Mestre. Que venham os desesperados, os alucinados, os obsessivos, as coisas loucas desse mundo, a escória, o vitupério, que venham os jovens em um movimento contra cultural de santidade e atos de justiça. Que venha a cultura do Rei e o estabelecimento do Reino na nossa geração. O Reino de Deus é trabalho, orar, amar, misericordiar é trabalhar, o pensamento é trabalho e a adoração também. Coloque a orelha no batente, deixe o Rei furá-la e pertença a Ele nos dias de hoje e por toda a eternidade. Encontre caminhos Nele para isso…

…o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele. Mateus 11:12

Linda Lili!

Lili lindissima, lili belissima

o que te faz bonita, o que te faz gatissima?

tintura, pintura, rímel, luzes?

te digo que não, nada disso não

o que te faz tão bela

é um conjunto em questão

cada pedaço seu, feito por uma mão

seus olhos, traços, brilho, desembaraço

o que vem lá de dentro iluminando o olhar

força e coragem para esperar

sorriso maroto, amizade sincera

esperança se levanta para acreditar

fé e certeza que tudo novo fará

luz da manha que acorda no ar

o Espirito Santo que te faz caminhar

amiga querida, uma coisa te digo

o que vem pela frente voce vai suportar

um novo horizonte Ele vai lhe mostrar

e no fim tu dirás

face a face O vi!

Amo voce!!!!

Mova-se! (151°)

Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada. Edmund Bruke

Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai. Jesus Cristo, relatado em João 14:12

Viver é pesado demais! (150°)

Muitas pessoas me perguntam como consigo trabalhar, estudar, ser mãe e me interessar pelos órfãos, hoje quero desconstruir o mito e tocar em todos esses tabus que nos impedem de vivermos a nossa missão. Vou começar dizendo que durmo pouco! Durante os primeiros vinte e cinco anos dormi muito, amava me deitar sem saber a que horas levantaria e usar parte das minhas tardes para tirar um cochilo. Nos últimos cinco anos abri mao dessas praticas, o travesseiro ainda fica babado, mas as horas de sono diminuíram quase pela metade. Outra coisa é o fato de não assistir à televisão nem como exceção, há quase quatro anos minhas horas não são empenhadas diante de uma caixa preta manipuladora. Também ganho tempo com o fato de não considerar o enfeite como primordial, diante disso não gasto horas no salão ou em casa experimentado roupas ou pintando o rosto. O sono, a Tv e a preocupação exacerbada com a carcaça já liberam de três a cinco horas diárias para implementar outras práticas. A internet é extremamente funcional, pesquiso o que preciso, leio o que acho interessante e me aproprio das redes sociais como uma ferramenta de disseminação de informações. Divulgo, escrevo, publico e tenho noticias de pessoas que me interessam. Não ligo muito para a casa e tenho a ajuda diária da Jane que salva a semana e também a ajuda de amigos incríveis… Dessa forma, posso usufruir cotidianamente de momentos memoráveis com os meus filhos: rolamos na cama, fazemos brigadeiros, massinhas e plantamos feijões, deitamos no chão, fazemos piqueniques, dançamos e cantamos, reciclamos potes e contamos historias, deitamos juntos, brincamos de lutinha, casinha, pique-esconde, tomamos sorvete na banheira e o que mais rolar. Posso usufruir de gente e não de coisas.

No entanto, tudo isso não valeria nada se eu não tivesse a materialização da misericórdia do Pai em um homem surpreendente chamado egberto da silva santana. O pai dos meus filhos alivia todas as cargas para essa esposa que vos escreve. Ele é extremamente presente na educação dos nossos filhos, é divertido, sagaz e super corajoso, passeia com as crianças com uma maestria invejável, faz coisas cotidianas, como ir ao mercado, banco, lava-jato e o que mais for necessário com os nossos dois filhos e uma filha, além disso é um cara que me aconselha, direciona as minhas decisões e me ensina na prática sobre amor, perdão e serviço. Sempre me ouve e me deixa compartilhar todos os inumeráveis anseios e questionamentos que tenho. Agüenta o meu mau-humor recorrente e a minha grosseria gratuita e ainda me proporciona noites ma-ra-vi-lho-sas. Não há nada de extraordinário, a não ser o meu marido e a sua capacidade de agradar a Deus. E por fim, o ponto central e determinante para o sustento das vinte e quatro horas do meu dia está na decisão racional de passar horas e horas com o criador de todas as coisas. Comparecer em encontros com Ele, parar tudo para ouvi-Lo e desejar a presença Dele mais do que o ar enchendo os meus pulmões… Sem isso viver fica pesado demais!

ManheeeÊ

A mãe para o feto é uma casa, uma fonte de alimento ou de risco, segurança ou insegurança, dependendo do contexto, se de paz ou de guerra.

A mãe para o bebe são os braços mais acalentadores que existem, o porto seguro, a afetividade materializada, quase um objeto de obsessão, em alguns casos pouco correspondido.

A mãe para a criança é um modelo, podendo ser bom ou ruim, é educadora também de coisas boas ou nem tão boas assim…

A mãe para o/a adolescente às vezes um estorvo, pode ser também uma amiga quando muitos acham que virou inimiga.

A mãe para o jovem adulto é um resgate da infância, um amor maduro, uma mulher que lutou e nem sempre acertou.

Ser mãe é ser vigiada, amada, jugada, admirada, questionada, desafiada, comissionada, desesperada, incompreendida, surpreendida, regozijada, copiada, acalentada.

Ser mãe é fazer igual e diferente, experimentar e conformar, contornar e espanar, amenizar e espinhar… Ser mãe não é um mito e nem romantismo.

Ser mãe não é padecer no paraíso, é trabalho árduo e alegria intensa. É ter o mundo sem ter nada. Ser mãe é a melhor forma de nos tornarmos filhas!

Mães de oração! (149°)

Em dezembro saímos em duplas e trios com o objetivo de visitarmos todos os barracos da favela santa luzia com a verdadeira mensagem de natal: Cristo morreu, ressuscitou e vive! A maioria abria suas portas e centenas convidaram Jesus para entrar em sua vida, casa e comunidade. Lá pelas tantas, uma mulher, dona de um bar, nos convidou para falar a mensagem no bar dela. Na hora, reunimos umas cinco mulheres nos fundos do seu boteco e enquanto orávamos Deus as avisou que as transformariam em mães de oração. Falou que as mulheres daquela comunidade se reuniriam não para beber ou fumar, mas para conversarem juntas com o Pai. Elas ficaram emocionadas e com um brilho novo no olhar, voltaram para casa com uma semente no ventre. Pouco mais de dois meses tive a noticia que o referido bar havia fechado, logo percebi que a semente estava germinando. Com a casa de paternidade pronta marcarmos um encontro para aquelas que estão com essa promessa pairando sobre as suas cabeças: as mulheres da favela santa luzia. Chegou o dia e era incrível pensar que o local onde os órfãos sobreviviam se tornaria naquela tarde um pedacinho do céu. O objetivo era recebê-las com muito amor, para tanto foram recepcionadas com uma linda biblia de presente e logo que se sentaram foi servido a elas uma galinhada deliciosa. Depois de duplamente alimentadas começamos a declarar o poderio do Senhor sobre aquele lugar e o livre acesso do Santo Espírito de Deus. Salmo 86 era a palavra que todas leram juntas, tornando o salmo em primeira pessoa, especialmente para as maes que alí estavam. Alguns louvores, muitas palmas, alguns sorrisos tímidos e olhares curiosos, mulheres que não se lembravam mais da ultima vez que foram servidas. Uma criança da comunidade pediu para cantar uma musica e trouxe a tona o nosso objetivo naquele lugar ao som do refrão “ressuscitou, ressuscitoooouu e vive para sempre…”. As meninas que estivem conosco na gravação do primeiro vídeo, na época em que as crianças ainda viviam na miséria, ficaram maravilhadas com o que Deus havia feito, contemplaram essa intervenção de Jesus na terra com uma alegria e gratidão contagiantes. Seguimos com a palavra e descobrimos ao fim que o Espirito de Deus estava pairando sobre aquelas mulheres só esperando a gente convida-Lo para agir. Ele fez! Quebrantamento e o doce amor do Pai nos corações marcados pela dor e sofrimento. Muita presença de Deus e amor materializado naquele lugar. Mãezinhas pediram para apresentarem seus filhos ao Rei dos reis e assim o fizemos. Tivemos sorteios, lanche para levarem para os filhos e muita alegria no final… Foi uma tarde inesquecível, um desencadeamento da promessa de Deus, a cultura do Reino sendo estabelecida na terra, uma revolução que avança: As mães de oração!

A mulher de Lutero

Hoje acordei com um comichão! Quero muito entender o momento histórico em que estamos inseridos, na perspectiva do cristianismo aplicado aos nossos dias. Com essa coceira incômoda, fui ao google ler sobre os reformadores, pesquisar sobre suas biografias e resistências, sobre o movimento que começou no velho mundo e se espalhou por toda parte. Olhar o passado ajuda a entender o presente e poupa dissabores para o futuro. Li algumas histórias e compartilho uma delas aqui. Especialmente para as mulheres, desejo uma leitura sagaz!

“Katharina von Bora

Catarina (Katharina) von Bora (Lippendorf 1499-1552) foi uma freira católica cisterciense alemã. Em 13 de Junho de 1525, casou-se com Martinho Lutero, líder da Reforma Protestante.

Catarina abriu as portas da sua casa pra que monges, freiras, padres que escancaravam seus corações pra verdade de Deus e se tornavam adeptos da Reforma se refugiassem, mesmo sabendo que estavam entrando num tempo de perseguição e isso pudesse resultar numa invasão ao seu lar. Existiram vezes, que 25 pessoas moravam em sua casa, sem contar ela, Lutero, as crianças e os 11 órfãos de quem cuidavam!

Lutero nunca se negava a ajudar um necessitado. Sempre oferecia dinheiro a quem precisava e logo logo, acabou com as lindas porcelanas que Catarina ganhou de presente de casamento, vendendo para conseguir dinheiro e abençoar aqueles que lutavam pela causa da graça de Cristo!

Katy cuidou de Hans Lutero, seu primeiro filho, ao mesmo tempo em que seu esposo passava por uma terrível depressão. Ela se sentava ao seu lado e lia a Bíblia pra ele edificando seu coração. Conciliou as tarefas da casa, de hospedagem, mãe, esposa com a árdua tarefa de ajudar Lutero na tradução das escrituras para o alemão. Ouvia os desabafos de Martinho e sabia que cada vez que ele saia para pregar podia não o ver voltar, pois quanto mais pregava, mais inimigos Lutero ganhava. Expandir o Reino e as verdades bíblicas significava para Catarina poder ficar viúva. Mas ela sempre o encorajava: “Deus cuidará de nós. Não tema! Pregue!”.

Ela realmente é admirável. Sua postura permitia Lutero pregar livremente e arriscar sua vida pela Verdade!

“Catarina não escreveu nenhum livro nem pregou nenhum sermão, mas sua inestimável ajuda possibilitou que o marido fizesse isso. Ela foi um grande apoio pra ele.” Como Lutero mesmo disse a um amigo: “Minha querida Katy me mantém jovem e em boa forma também (risos). Sem ela eu ficaria totalmente perdido. Ela aceita bem minhas viagens e, quando volto, está sempre me esperando. Cuida de mim nas depressões. Suporta meus acessos de cólera. Ela me ajuda em meu trabalho e, acima de tudo ama a Jesus. Depois de Jesus, ela é o melhor presente que Deus em deu em toda a vida… Se um dia escreverem a história da Reforma da Igreja espero que o nome dela apareça junto ao meu e oro por isso”.

Tudo que Catarina Lutero falou ao ouvir isso foi: “Tudo que tenho sido é esposa e mãe e acho que uma das mais felizes de toda a Alemanha!”. Lutero chamava sua esposa de “estrela da manhã de Wittinberg”. Katie viveu por mais seis anos após a morte do esposo em1546.”

esposa de lutero

Levanta a bunda do sofá! (148)

Fico ouvindo a bíblia em áudio no meu trabalho com a esperança de que todo aquele conhecimento entre por osmose na minha mente e seja de fato enxertado. Não consigo prestar atenção ao que estou ouvindo continuamente. Sempre escuto o antigo testamento, nos últimos dias os livros de Josué e juízes estão no topo. Hoje apertei o play e comecei a ouvir sem prestar muita atenção, lá pelas tantas percebi que estava no livro de Tiago e fiquei surpresa, não pensei em ouvir Tiago! No entanto, percebi que a transmissão estava de forma aleatória. É isso mesmo! Livros e textos aleatórios, não escolhidos por mim. Achei o máximo e pirei mais uma vez no livro desse camarada autentico. Vou parafraseá-lo, lembrando que podemos falar muito da bíblia sem mencionar os versículos ao pé da letra e também falar a respeito das escrituras agindo…

Tiago escrevia para uma galera dispersa, não sei por que cumprimentava o pessoal com o termo saúde no lugar de utilizar o insólito ‘paz!’ No inicio da carta já dava a real dizendo para os irmãos ficarem alegres, tipo uma alegria que comemora quando se ferra varias vezes. Dizia ele que se a nossa fé for provada seremos mais pacientes. Coloca essa ultima como obra perfeita, fico viajando se paciência poderia ser a ciência da paz????? Fala pra galera que se acha meio sem noção pedir sabedoria a deus, avisando que esse dá liberalmente, no entanto,  joga um balde de água fria dizendo que se a galera não tiver essa tal de fé é uma grande bobagem pedir porque nunca serão atendidos. Avisa geral que Deus não anda por aí tentando as pessoas ao pecado e descortina dizendo que a nossa ganância é a grande causa que concebe o pecado que ferra as nossas vidas. Com um clamor em sua voz pede para o pessoal ficar atento e já avisa que toda coisa boa, todo dom perfeito vem lá do alto, do pai das luzes. Esse sim não muda nem varia. Afirma que Ele é o nosso gerador por meio da palavra da verdade. Depois disso começa com aplicações praticas de sabedoria. Para Tiago, amar a Jesus é prático demais. Um belo exemplo para a nossa geração teórico-farisaica que venera um sofazinho…

Curiosidade: havia três proeminentes tiagos no novo testamento, não podemos afirmar qual deles escreveu essa carta. A maioria considera que seja o Tiago, irmão de Jesus.

Tiago 1:1-18, se continuarmos até o fim do livreto o negocio vai render…

Catarina! (parte1)

Catarina era uma menina comum que deixava sempre o tubo de pasta de dente fechado e o sabonete sem cabelo, metódica e sistemática em tudo o que fazia. Estudiosa e com muita vontade de viajar o mundo, apesar de não conseguir nem ir ao cinema sozinha. Nascida em Olinda nos idos de 80 em uma família de classe média, seu pai era contador e sua mãe trabalhou até a primeira gestação em uma loja de perfumes e desde a primeira licença maternidade passou a trabalhar sem remuneração nos serviços domésticos de sua casa. Ficou mais uma vez grávida assumindo definitivamente a profissão de mãe-esposa-arrumadeira. Era mesmo a dona da casa. Sempre achou o nome Catarina forte, um nome imponente que falava por si mesmo, quando soube que estava grávida de uma menina não tinha duvidas sobre como iria chamá-la.

Joana era o nome da amiga de Catarina, amizade cultivada desde a infância. Moravam no mesmo bairro e estudavam no mesmo colégio desde o maternal. Joana uma cosmopolita cheia de compromissos e atrasos ria sempre quando Catarina voltava do elevador para tirar a toalha molhada que havia esquecido sobre a cama. Elas eram bem diferentes, mas havia uma sinergia quase espiritual na convivência de tantos anos.  Catarina estava no meio de uma especialização na área de educação e Joana estava comemorando a graduação em engenharia ambiental. Sempre achou os engenheiros tão organizados na construção de seus pensamentos e das engenharias escolheu a menos engessada com a esperança de se tornar uma metódica. Ledo engano, quase foi jubilada pela quantidade de anos que levou para se formar e não conseguiu a façanha de sistematizar a sua vida. Para comemorar o canudo fez uma proposta à Catarina, proposta essa considerada irrecusável aos seus olhos. Disse a Catarina que o momento era aquele, que daqui há alguns anos estariam com maridos e filhos, cheias de compromissos sociais e tarefas cotidianas e que não poderiam perder a oportunidade de viajarem juntas para a Europa. Catarina logo disse que teria que terminar a pós e não poderia tomar uma decisão de supetão e varias outras questões. Joana conhecendo a amiga argumentou sobre a especialização dela ter tudo a ver com a viagem e que a primeira coisa que fariam era visitar a escola da ponte, em Portugal e se quisesse iriam até o Instituto Emmy Pickler em Budapeste.  Catarina sorriu de lado e disse que daria a resposta mais tarde. Joana passou o resto do dia insistindo com a amiga. Mandou mensagens no celular, e-mail, twitter, separou artigos sobre a ponte e o instituto e bombardeou Catarina com um mundo de possibilidades no velho mundo. No inicio da noite Catarina decide ir e as duas usam o Google como nunca antes viajando antes de embarcarem!

Deus!

Caminhando contra o vento (147)

Estava há algumas semanas devendo uma saidinha com as irmãs sheila e leila, sem promessas ou planos conseguimos escapar depois do grupo de comunhão, o beto segurou a onda com as crianças e lá fomos as três ver o previsibilíssimo “Como agarrar o meu ex-namorado”. É o tipo de filme que ganha algum espaço na minha memória somente pela companhia do cinema. Historinha batida e sem mérito algum, é isso mesmo, em mais de uma hora e meia de película não posso dizer nada de bom sobre “a obra” expressão que poderia ser facilmente substituída por “numero 2” para um entendimento melhor do quanto o filme é ruim. As meninas gostaram muito e isso valeu o tempo empenhado e o dinheiro gasto. Sempre estamos cheias de crianças, em tudo há muito menino, na minha casa são três, fora os agregados, na casa das meninas são sempre seis. Uma saída sem crianças é bem merecida nesses casos. Terminado “a grande obra cinematográfica”,  faço a pergunta mais retórica nesse momento: e ai, querem ir para a casa ou vamos fazer outra coisa? Na hora as gurias falaram que queriam fazer alguma coisa. Fomos nós com destino esplanada dos ministérios em final de semana de aniversario da cidade. Chegando lá percebemos que caetano veloso ainda estava cantando. As meninas não faziam a menor ideia de quem era a figura e fiquei super empolgada em apresentar esse tipo de composição e musica, tendo em vista que estão acostumadas com “to ficando atoladinha” e “ai se te pego”. Para o meu deslumbre conseguimos curtir o final do show e a musica “alegria, alegria”. Uma composição histórica que vai acompanhar a formação das irmãs em vários momentos de suas vidas acadêmicas. Amanha a sheila começa um período decisivo nessa nova fase pós-estrutural e durante o trajeto de volta entre uma piada sem graça e outra mais ainda, comentávamos “Porque não?? As meninas cursarem uma faculdade, lerem centenas de livros, terem experiências profundas com jesus, levarem o amor de deus por onde forem e conseguirem perdoar a assassina de sua mãe… porque não, porque não????

Que a medida de fé dessas jovens seja aumentada a cada experiência, a cada novo dia e que o conformismo não faça parte de suas histórias!

Thanks, Dad!

Brasílias

cinquentenária e jovem como poucas
cidade de concreto e muita anfetamina
brasilia moderna e sem esquinas
com historia pra contar de um povo singular
lago artificial que a torna tão igual
deck elitizado, entorpecido e dopado
ponte que retrata o interesse da nata
onibus cheio de gente mal-remunerada
exemplo de cidade quando vai nas entrequadras
babel de desigualdades fora de suas asas
o lugar em que nasci, o local em que vivi
hospitais em que pari, gramas em que li
quanto cimento há pra sentir
o que dizer entao da cidade em questao
criada por traços e rabiscos na mão
o céu prende meu folego
no lixão ou no pontao
uma bela tradução!

 

Mãe faz cada coisa!

Mãe faz cada coisa! Uma chuva torrencial, três crianças no carro, um portão que abre manualmente e a ausência total de sombrinhas, sacolas, toalhas ou qualquer recurso que amenizasse o banho que viria. Uma decisão: mandar os meninos e a menina ficarem quietos, ameaçando que se saíssem do carro ou abrissem os vidros veriam uma coisa ou tornar o momento divertido? Não costumo optar sempre pela segunda, mas quando o faço me sinto tão bem, tão jovem e tão livre que penso a estupidez que seria se tivesse escolhido o comum. Lancei a ideia para as crianças que sempre se animam de forma vertiginosa. Segue o espasmo: crianças, vamos começar a primeira fase do videogame e vocês estarão na torcida para a mamãe passar rápido e sem maiores percalços com o agravante da chave do portão poder não estar no lugar secreto. Saio eu, aos gritos de vai mamãe, vai mamãe e pingos gigantes de água em cada pedaço de pele descoberto. Desço do carro, pego a chave, abro o portão e entro de volta ovacionada. O número 1 desenrola todo o jogo e me coloca a par do que estava por vir: Mamãe, vamos entrar e descer rapidinho do carro que passaremos para a etapa de trocar a roupa, jantar e brincar de lutinha, de barbie, de cavalinho e uma imensidão de fases e propostas que para uma mulher balzaquiana soa com uma inadequação cheia de fadiga. Na verdade, pensei quando chegaria a fase de todos dormindo em suas camas, fasezinha difícil de alcançar. O mais estimulante para não dizer muitas vezes arrepiante é o fato que zeramos o jogo hoje e amanha começa da fase inicial, não adianta utilizar o cartão de memória, porque a renovação de situações e questões ligadas aos filhos é inesgotável. Fico pensando que podemos de fato escolher transformar a criação dessas pessoas em uma grande aventura cheia de descobertas e alegrias ou um enfado estressante cheio de  insatisfação e frustrações. Mais uma vez a decisão está em nossas mãos de mães!

Mundo paralelo

As questões físicas tão conhecidas em uma favela são vistas por todos. Miséria, sujeira, alcoolismo, homicídios, abusos, prostituição, vícios, desordem, crimes em geral. Mas você já pensou nas questões espirituais? O que ocorre nesse mundo paralelo, nessa outra dimensão que influencia diretamente o mundo que vemos e pegamos? Porque tantas vezes as características de uma favela são perpetuadas ao longo das gerações?

E, se, durante uma hora pudéssemos ter acesso ao que ocorre no mundo espiritual dentro de uma favela?

Poderíamos especular algumas questões. Primeiro, a quantidade e variedade imensa de demônios e o funcionamento dessa mão de obra. A atuação dessa classe em um local cheio de mortes, miséria, vícios e abusos é super organizada, exércitos simétricos e bem distribuídos, funções especificas para demônios específicos. Um deles é o de malandragem, talvez isso explique um pouco a lei da selva em que grande parte da comunidade está inserida e também o fato deles roubarem uns aos outros. Demônios pairando sobre nuvens, munidos de arco e flechas com tiro certeiro à nuca das pessoas para controle imediato. Outra classe de demônios controlando esses indivíduos como marionetes, inclusive as crianças. O grande chefe, o satanás com sua presença intimidadora, cachimbo na boca e olhos altivos chamando grande parte desses humanos por nomes de animais, roubando suas identidades e os utilizando como seres irracionais. Uma quantidade imensa de demônios zombeteiros na rua, grande parte em forma de palhaços maldosos, que se alegram na crueldade, fazendo com que os indivíduos dessa comunidade sejam em menor ou maior grau impiedosos e insensíveis. Serpentes alojadas nos terrenos e barracos se alimentado das praticas usuais e do sangue derramado. Influenciando o comportamento das pessoas, perpetuando assim a miséria e a violência. Demônios chamados de figuras mitológicas como Baco, o deus do vinho, uma comunidade inteira sendo conduzida pelos seus interesses. Um ambiente opressor e pesado, sensações físicas no corpo. A necessidade de adorar o criador. Alguns minutos de palavras de confronto para tal ambiente, santo, digno, majestoso e tantos outros adjetivos. O sangue de Jesus poderoso, a sentença de que todo joelho se dobrará a Ele, Cristo em nós esperança da glória… Uma nuvem clara com uma pomba de luz, uma intervenção, muitas possibilidades, o chamado para manifestação dos filhos do Rei, dos filhos e filhas de Deus.

Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim. Isaías 6:8 

Jesus, meu interesse! (146°)

Tenho saudade de Ti, amado da minha alma…

Experimento

Quem são os lobos?

Décadas atrás foi realizado um experimento por Stanley Milgram que grosso modo se desenvolveu da seguinte forma: Um grupo de voluntários foi colocado em uma sala diante de um homem sentado em uma cadeira cheia de fios que emitiam choques, esses choques seriam controlados por outra pessoa que também estava na frente dessa platéia. Eram possíveis três níveis de choques, o leve, o moderado e o intenso. Os voluntários não sabiam que era uma farsa e estavam apreensivos com relação ao perigo dos choques no corpo daquele homem. Quando o controlador passava para mediano todos os censuravam e impediam que ele continuasse com o experimento. Em um dado momento entra em cena um senhor branco e elegante com uma pasta na mão e um óculos na face e é apresentado como um experiente neurologista que entende sobre o efeito do choque no cérebro humano, uma autoridade na área. Ele falou basicamente que a platéia poderia se tranqüilizar porque estava cientificamente comprovado que os efeitos eram amenos e que eles podiam  dar por alguns minutos os choques de forma intensa, que não teria seqüelas ou morte. Ele, como autoridade, podia garantir aquela informação. Depois do contato com essa autoridade os voluntários não mais se opunham aos choques intensos, alguns ficaram tão interessados que controlaram os botões e se divertiram com as expressões de dor do homem preso à cadeira.

Qual a conclusão desse experimento? Quais questões são levantadas?

Talvez isso explique um pouco porque Hitler teve tanto sucesso e tantos seguidores ou qualquer outro ditador fascista na historia. Talvez explique porque cristãos de algumas denominações têm atitudes diametralmente opostas ao evangelho que eles julgam seguir. Uma pseudo-autoridade, que era o caso do engravatado da experiência, pode causar mais danos do que podemos imaginar. Manipulação, mentiras, deturpação e cinismo. Alguns fatos são visíveis e conhecidos em qualquer ponto gospel do nosso país: pastores e pastoras mandando gente orar para que outros saiam de suas denominações e essas pessoas obedecendo, pais proibindo filhos de terem contato com crianças de outros cristãos, homens e mulheres justificando seu egoísmo e indiferença por meio de preconceitos ou imaturidade de seus líderes, gente boa aceitando uma imensidão de absurdos porque preferem ouvir ao homem e não a Deus.

Desde quando a obra é do homem? Desde quando não temos livre acesso ao Rei?

Em nome de Deus muitos já foram levados para as fogueiras, em nome de Deus Saulo perseguiu, feriu, se alegrou na morte de cristãos, em nome de Deus líderes de currais religiosos controlam a vida das pessoas, investiga e persegue a vida de cristãos, em nome de Deus Jezabel reina e Acabe se anula com medo de perder o castelo de areia que construiu até aqui.

Diga-me você, o que tem feito em nome de Deus?

Jesus materializou o principio da autoridade, ele não foi teórico, não manipulou. Ele simplesmente carregava seu estilo de vida em suas palavras. Na época um coletor de impostos influente da cidade o seguiu simplesmente (Mc 2:13). Não havia argumentações nem defesas, havia um homem pisando na terra cumprindo a vontade de seu Pai. Jesus afirmava: Sou um com o Pai, assim como vocês podem ser um comigo. Uma liderança baseada em Amor e Serviço. Simples assim!

(Vou procurar a pesquisa original e postar no blog)

Desafio estimulante!

O desafio era o seguinte: reunir em uma sala de colégio por mais ou menos 1 hora um grupo de crianças e pré-adolescentes com idades variando entre dois e treze anos! O grupo de comunhão está cheio de crianças e a necessidade delas serem estimuladas com a linguagem certa ficou clara na primeira reunião. Decidimos começar pelo principio: Genesis1, a criação. Estou obcecada nisso porque tenho contato com jovens professores e jovens alunos na UnB que acreditam piamentente na teoria de Darwim, mas não querem nem ouvir sobre o fato cabal de um Ser ter criado todas as coisas, logo as crianças precisam ser bombardeadas pela historia da criação com todos os recursos disponíveis.

Pois bem, a idéia inicial era ler Genesis 1, fazer um paralelo com o acender e apagar da luz da sala com o “haja luz” do Criador e uma oração autônoma agradecendo por todas as coisas que eles lembrassem que Deus fez. Nessa hora já vibrei bastante porque eles estavam orando pela cabeça deles, uns agradecendo pela grama, pelo fogo, pela mãe, pelo pai, outros agradecendo a florzinha, o morango, o limão. Crianças são sempre surpreendentes! A segunda parte foi procurar em revistas coisas que Deus criou, recortar e colar em painéis espalhados pelo chão, os menorzinhos fariam coisas criadas pelas mãos de Deus através de massinha. Foi lindo ver eles fazendo ovinhos, minhocas, cobras, caramujos, os maiores fizeram rinocerontes e elefantes. O contato tinha que ser pessoal, afinal estávamos lidando com crianças de dois anos que ainda não se expressam tão bem por meio da linguagem e não tem coordenação para utilizarem uma tesoura e, também, haviam crianças mais tecnológicas que tem um ritmo próprio de estímulos, a colagem, a massinha e a criação livre no papel branco perdia a graça mais rápido do que para as outras crianças. O tempo passou tão rápido e foi tão intenso que quando terminou a reunião dos adultos é que começamos a terceira parte do nosso encontro, saborear, sentir o gosto doce de parte das coisas que o Pai criou. Comemos frutas e nos deliciamos com a criação…

A clarinha foi uma graça e encontrou varias gravuras, a Laís vibrou muito quando encontrou umas criancinhas e colou no painel, da mesma forma que a vivi achou o maximo colar uma mulher vestida de rosa, o biel e o misa brincaram muito de massinha, o rodriguinho e Mateus passaram por todos os recursos disponíveis, tendo em vista que tudo perdia a graça bem rapidinho, Lucas também brincou com tudo, willian encontrou coisas diversas para o painel, desde um osso até o neymar, wemerson me ajudou desde o inicio, o isaque fez um desenho maravilhoso sobre a criação, o Samuel não parava de encontrar coisas legais para o painel, o luquinha, fez uma baleia cercada por lindos peixinhos, o marquinhos aproveitou e criou, a queila também utilizou todos os recursos e aproveitou bastante, infelizmente os outros dois isaques não estavam, eles teriam amado, joao gilberto e mateus, sentimos a falta de voces, esperamos, também, os filhos da lucia e frança no próximo domingo. As adolescentes Sheila e Leila foram essenciais para o bom andamento do encontro e também desenharam e criaram. Foi um momento maravilhoso e cheio de criatividade…

Aos papais e mamães, um pedido: levem sempre seus filhos com roupas que possam sujar, roupas confortáveis, porque durante todo o mês de abril estaremos falando sobre a criação e teremos algumas atividades com tinta, areia molhada e cola… Se precisarmos de algum material ou lanche especial, avisaremos pela página do grupo de comunhão. Deus os abençoe nessa missão maravilhosa da maternidade e paternidade!

Matrix (145°)

Ouse se mover fora do(a) globo…

E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.Romanos 12:2

Dinheiro é detalhe! (144°)

Me alienei! Ontem tive noticia dos escandalos de Valdomiro e Pereira. A pessoa veio me perguntar o que achava sobre o ocorrido com o pr. marcos pereira (é esse o nome?), respondi sem pensar que estava totalmente desinteressada em noticias, assuntos e fofocas do meio religioso e gospel, mas se quisesse conversar sobre o Reino acharia otimo. A conversa fluiu e passamos para um assunto que está me inquietando: a renovaçao da mente. Dias atrás ouvi um senhor que está no campo há mais de quarenta anos e tem ensinado os principios do reino ao redor do mundo. Ele trouxe a memoria a seguinte afirmação: ” a riqueza não é produzida pelos recursos, mas pelo pensamento”. A mina que vos fala pirou nisso, como assim não preciso de recursos? A igreja pede o tempo todo isso. Não tirei essa história da cabeça e comecei a pensar em algumas situações protagonizadas por Jesus: distribuiçao de renda ocasionada pela conversão de zaqueu, multiplicação dos peixes e paes, moeda para o imposto, a recomendaçao para olharmos os passarinhos, a parabola do cara que encontrou um tesouro no campo, a oraçao do pai nosso quando pede para o reino vir para a terra… Fui dormir atormentada com essa questão. Há alguns dias estava matutando um tipo de produto que as catadoras, as maes que nao tem com quem deixar os filhos para trabalharem e as meninas em regime semi-aberto, pudessem fazer. O meu pensamento estava estacionado na questao financeira: de onde viria o dinheiro para começarmos. Depois dessa noite alucinando nessa nova perspectiva,  estive na cooperativa pela manha e vi coisas que nunca antes havia enxergado naquele lugar. Contemplei uma jovem costureira, um espaço disponível, faixas, lonas, tecidos e uma maquina de costura emprestada. Eureka!!! Podemos começar sem dinheiro! Deus é mesmo surpreendente…

Deus invisível, mas real! (143°)

Deus é real, apesar de invisível! A sua imaterialidade não pode ser pressuposto para a sua ausência. Ele é Deus independente de nós e do trabalho que fazemos. Ele é, e, sempre será! Nessa perspectiva, podemos ousar conhecê-Lo, buscá-Lo em todas as coisas, encontrar o caminho a verdade e a vida cotidianamente. Jesus deve ser a base, o pressuposto, os meios e o fim, todas as prerrogativas e premissas. A intencionalidade da nossa vida não deve estar em fazermos um bom trabalho ou sermos usados por Deus ou, ainda, termos resultados abençoados, mas em conhecermos a Ele e prosseguirmos em conhecê-Lo. Nada pode ter mais valor do que essa aventura cheia de descobertas e desventuras.

Quando Pedro respondeu que sabia quem era o Mestre que andava com ele, a sua identidade foi revelada por Jesus, isso não o impediu de negá-lo, mas foi preponderante para o encontro em que Pedro foi inquirido com relação ao amor e autorizado a ajudar os seus irmãos. Nada importa mais do que conhecermos a pessoa de Jesus num relacionamento de intimidade e transformação. A sua onisciência, onipresença e onipotência devem ser consideradas de forma prática. Reconheço que Jesus sabe de todas as coisas então devo consultá-lo em todas as questões, a direção não como algo para poucos caciques, mas para todos que queiram, se acredito em sua onipresença deixo de lado uma vida dual que separa o espiritual do secular e me movo durante as vinte e quatro horas do meu dia em sua companhia. Considerando a sua onipotência, devo não desgrudar os meus olhos e pensamentos da soberania de meu Pai. Ele continua mantendo as estrelas suspensas e a água separada da terra. Deus é poderoso para conduzir-nos e se manifestar na pós-modernidade através de seus filhos. Creia e se movimente para isso…

Idéias do céu para a terrra (142°)

Acredito mesmo que estamos nessa terra de passagem e para especificamente cumprimos uma missão. Toda a cultura foi formada ao longo dos séculos para dizer que isso não é verdade. Não temos escolha, somos e estamos influenciados e muitas vezes determinados pelo sistema, pela forma que a sociedade é construída. Jesus viveu na contramão disso enquanto estava na terra. É maravilhoso demais pensar que o Deus criador de todas as coisas não só redimiu a terra com o envio de seu filho, mas mostrou na prática como viver, como mudar a cultura e cumprir uma missão. O desafio continua o mesmo para nós na pós-modernidade, precisamos viver como se não fossemos daqui e assim trazer uma cultura que não é a que conhecemos para os locais que convivemos e numa grande escala podemos influenciar uma geração. Podemos ser a geração de cristãos que foi chamada assim não porque o cristianismo é a nossa religião, mas porque nos parecemos com Cristo, fazemos a suas obras ouvindo e obedecendo ao Pai. Nessa perspectiva tudo fica ilimitado demais. O processo criativo ganha outras dimensões, tendo em vista que estamos trazendo ideias do céu para a terra. Podemos pensar uma nova forma de economia, não um sistema predatório e alienante, mas uma economia solidária e sustentável. Podemos pensar na moda e mídia sendo influenciadas por principios do Reino, a música, o cinema, as piadas, os livros. Não só um gueto de produção gospel, mas uma avalanche de criatividade vinda do alto e materializada por meio dos filhos de Deus invadindo as livrarias, teatros, salas de projeção, galerias de arte, bancos e comunidades, empresas e escolas, os poderes legislativo, judiciário e executivo. Uma geração que entende sua vocaçao e ensina de forma prática para a próxima geração.

Otária.

Consegui falar com a Sheila no domingo e ainda estava na estrutural. Avisei que os seus irmãos estavam sozinhos e largados, que a casa estava um lixo e que ela devia voltar imediatamente para o Riacho, afirmou que faria isso, mas não sabia onde estava a Leila. O celular da Leila continuava desligado e falei que independente de encontrar ou não a irmã era para ela ir para casa. Assim ela fez e a Leila passou mais uma noite na favela. Na segunda cheguei na comunidade por volta das oito da manhã e já tive noticia que ela havia ido embora. Durante todo o dia continuei tentando falar no seu celular, mas apesar de já estar em casa se recusava a atender as minhas ligações. Tinha uma aula as nove da noite, mas já estava há algumas horas conversando sobre essa questão com Jesus e com o Beto. Não sabia o que fazer e precisava de uma direção. Resolvi não ir mais à aula e me dirigi à casa dos nove irmãos. No trajeto com um lapso de pensamento o Pai me deu uma ótima estratégia: Escrever OTARIA na testa e conversar com elas a partir desse prisma. Não pensei duas vezes. No primeiro semáforo peguei a canetinha e estampei a testa. Chegando lá a Sheila abriu o portão perguntando o que era aquilo, não sabia ler a palavra. A Leila que estava dormindo ou fingindo dormir foi acordada na mesma hora, precisávamos conversar. Ela abriu os olhos e pedi para que lesse o que estava escrito na minha testa. Começou a soletrar e quando percebeu do que se tratava se calou e abaixou a cabeça, chamei a Sheila e comecei uma espécie de sermão dramático e verdadeiro. Entre tantas coisas afirmei que a otária aqui ia continuar sendo babaca se isso fosse insistir em acreditar no futuro delas, insistir em amá-las. E que elas iam ter muitas coisas para pensar durante a noite e no dia seguinte voltaríamos a conversar porque a otária aqui sabe que o maior interessado na vida delas é o Pai. Pedi para que separassem as roupas sujas e a Sheila já foi logo fazendo enquanto a Leila virou para o lado e dormiu. A Sheila depois veio dizer sobre o seu arrependimento e planos para o futuro. Fiquei bem alegre com o quebrantamento dela e mais tarde me encontrarei com a Leila para ouvi-la a respeito de seu futuro.

A Sheila e a Leila precisam de suas orações, companhias, precisam de amizades presentes e de se sentirem parte de um grupo. Estamos com uma janela de oportunidade aberta a nossa frente, podemos e devemos influenciar o destino dessas meninas.

E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. Romanos 5:4

Gurias!!!!!!

Esse final de semana o desânimo chegou com tudo. Primeiro o caminhão teve que voltar para trás e não fez a mudança dos nove irmãos, estava no meio de um seminário quando soube da noticia. Logo em seguida, ligo no celular da Leila e descubro que teve uma discussão feia com o pai e tinha saído sem rumo. Pedi para ela voltar para casa que a buscaria dali a uma hora para conversarmos e orarmos juntas. Quando cheguei em sua casa nenhuma das duas estavam lá. Voltei por volta das dez da noite depois de inúmeras ligações frustradas e as irmãs não tinham voltado ainda. O willian esperto como sempre me avisou que se lembrava do local onde mora uma família da comunidade que se mudou para o riacho Fundo 2 e são conhecidos das meninas. Pois bem, depois de quase meia hora de “vira aqui, tia” e “é mais ali, tia” chegamos na casa da Galega. Sheila e Leila não estavam lá, mas tive a informação de que tinham ido para a estrutural. Fiquei bem brava e estava enfurecida a caminho da vigília, com planos de ficar um pouquinho com Ele e depois bater lá na favela atrás das gurias. Cumprimentei todos e já procurei um cantinho para desestressar junto ao Pai, Ele é ótimo em mostrar a situação como de fato é. Rapidinho perdi a vontade de ir atrás delas, na verdade me esqueci por aquele momento de todos os problemas e circunstancias. Após algumas horas Ele me levou em Mateus 15, comecei a ler sem muitas expectativas a história da multiplicação da comida, no entanto fiquei espantada porque aquela passagem estava totalmente contextualizada a minha situação. Parei em um “não compreendes ainda?” Jesus ministrava ao meu coração que eu devia ter fé e caminhar sobre tudo aquilo que Ele já fez, os tantos milagres cotidianos desde o dia que conheci os órfãos até àquele final de semana. A conversão e o comprometimento das adolescentes seriam mais um milagre de tantos outros que Ele realizou. Fiquei super sem graça e respondi bem baixinho que havia compreendido!

Reunião, trabalho, congregação… (141°)

A centralidade do relacionamento com Deus não deve estar no local onde congregamos, nem na religião que apregoamos. A decisão de estar em um lugar ou em outro é só mais uma importante escolha que temos que fazer na nossa caminhada. Estou em um processo de correspondência, quero saber o que o Pai reservou para esse momento. Tenho necessidade de viver exatamente aquilo que Ele tem para mim, quero que o meu marido também viva o seu destino e que os nossos filhos sejam ensinados desde a tenra idade a serem direcionados por Deus em suas escolhas. Nos últimos dias tenho orado muito pouco e quando converso com o Pai tenho falado sobre assuntos bem emergenciais. No entanto, entendo que nas próximas horas preciso conversar com Ele exclusivamente sobre a decisão de ir ou ficar. E, antes desse momento libertador e eficiente, que é o momento do diálogo com o Pai, escrevo esse texto.

Estou pensando sobre os motivos que não podem me levar a participar, construir ou simplesmente freqüentar uma reunião, um trabalho ou uma congregação, eis as especulações:

1°     A amizade é ótima, amo os meus amigos, amo essa forma de relacionamento, mas não posso decidir se faço parte de um grupo ou trabalho baseado nisso.

2°     O conforto de conhecer as pessoas, saber quem são e o quanto acho bom estar em  suas companhias também não deve ser o norte desse tipo de escolha;

3°     O costume de estar perto, acho ótimo a opção de nos reunirmos uma vez por semana, de trabalharmos juntos, de experimentarmos coisas em Deus no mesmo ambiente, de sonharmos, mas, ainda, aminha decisão não vem daí;

4°     A proximidade de casa, o estacionamento ou o conforto da cadeira não são sedimentos para tal escolha;

5°     O espírito fast-food que atormenta o meu ser, quero o tempo todo atropelar o processo de ouvir e obedecer a Deus. Quero que responda rápido e exatamente  o que desejo; A precipitação não pode fazer parte desse processo.

6°     O preconceito, muitas vezes tenho impressões de pessoas ou lugares que são extremamente preconceituosas, tenho que rechaçar isso a todo tempo e num momento de decisão não devo considerar esse tipo de construção;

7°     Na verdade qualquer construção humana não pode determinar essa decisão;

É isso! A minha expectativa está bem alta para sermos direcionados por Deus, quero muito ouvi-lo para corresponder ao Espírito Santo nesse momento. O Beto também quer corresponder a Ele. Vou buscar e esperar… Depois compartilho com vocês.

Gente!

Vamos usufruir de que quando passarmos dessa para melhor? Num referencial de eternidade o que é realmente importante? Qual é o tesouro? Onde está o coração? Dinheiro, carros, casas, fama, roupas, unção, looks, livros, poder, filmes, cama, artefatos tecnologicos, sexo, drogas, benção, seriados, viagens… Quais são os sonhos? O que te move? Em que voce gasta sua energia? A unica coisa que manteremos quando nos encontrarmos com o fim terreno serão as pessoas! Sim, passaremos a eternidade rodeados por pessoas, tá certo que estaremos com um outro corpinho, mas não serão coisas, mas, sim, gente o que vai nos esperar do outro lado da linha. Jesus passou alguns anos pisando nessa terra, da mesma forma que fazemos hoje e a unica coisa com que Ele se envolveu foi com gente. Porque insistimos em fazer o contrário? Não temos tempo para os nossos filhos, nem amigos, nem familiares, nem desconhecidos. Quando nos encontramos somos superficiais, levianos e fúteis. Os nossos relacionamentos são teoricos e mediocres. Porque insistimos em fazer tudo errado? Porque não atribuo valor ao que realmente é valoroso?

Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito.Eclesiastes 1:14

Saudade… (140°)

Atribuo a tensão desses últimos dias ao fato de nao ter tido tempo nenhum para passar com o meu amigo Jesus. Por conta disso respondo de forma confusa e reacionária as circunstancias. Fico desanimada, cansada e preguiçosa. Me torno mal humorada, exasperada e critica. Há quase um ano tenho me encontrado com Ele todas as terças e quintas, passamos juntos de uma a duas horas. Muitas vezes são as melhores horas do meu dia, surpreendentes e rejuvenescedoras. Nesse mes de fevereiro os nossos encontros estão suspensos e mesmo que eu converse com Ele sempre enquanto estou fazendo outras coisas, o tempo dedicado exclusivamente ao Mestre não se compara a nada. A única forma de agüentarmos firmes e saudáveis a vida e qualquer missão é gastarmos horas e horas na presença daquele que criou todas as coisas e escolheu nos adotar. Jesus, me perdoe pela ausência e obrigada por estar sempre disponível e nunca desistir de mim… Amo-O!

Melhor esperança! (139°)

As pessoas estão desesperadas por respostas, elas precisam de Jesus. Em sua passagem corpórea por essa terra, Jesus afirmou que Ele é o caminho, a verdade e a vida. De que precisamos mais? O grande dilema da humanidade se extingue logo no inicio da frase. Jesus é o caminho! Isso implica que Nele temos um destino, nascemos com um propósito, cumpriremos uma missão e passaremos a eternidade com Ele. Não o conheceremos somente na glória, mas vamos conhecê-Lo e prosseguir em conhece-Lo desde já. O caminho significa direção, dependência, um guia, um desbravador. Jesus abriu o caminho, rasgou o véu e nos ensinou na prática como podemos viver nessa curta viagem na terra. Jesus se chamou de verdade. O quão profundo isso é? Ele não é uma versão, uma invenção ou uma alucinação. Ele é a resposta para tudo, o descanso para o cansado, a alegria para o melancólico, a paz na guerra, o refúgio para o desesperado, o abrigo para o perdido, a liberdade do cativo. Onde a luz está as trevas não podem ficar. Não há vida longe Dele. O pecado construiu uma barreira de morte entre nós e Deus, corroeu os nossos ossos, cauterizou a nossa mente, nos transformou em zumbis, sem vida, sem forma, sem luz. Jesus mudou a história, Ele rompeu a barreira, as nossas mazelas estavam sobre Ele. Jesus morreu de cruz, Jesus ressuscitou, Jesus vive… Centralize a sua vida no criador e consumador de todas as coisas. Ouse ir a Ele! Cansados e sobrecarregados, Ele é o alivio, Ele é o descanso e continua sendo a melhor parte! Aleluia!!!

(Pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou) e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual chegamos a Deus. Hebreus 7:19

Motivação (138°)

O que realmente Ele quer de nós é o nosso coração. Ele nunca exigiu o nosso trabalho, a nossa musica, a nossa palavra, as nossas obras. Ele nunca exigiu a leitura da bíblia, a ida aos cultos ou o jejum e a oração. Ele nunca exigiu a nossa obediencia e o nosso amor. Ele simplesmente se destituiu de toda glória e se fez homem. Ele pisou na terra, viveu na terra e glorificou ao Pai na terra. Jesus trabalhou, adorou, pregou, ensinou, curou, recitou as escrituras, jejuou, orou. Jesus obedeceu, Ele amou. Não porque tinha que fazer, mas porque respirava. Agora responda em silêncio porque voce faz o que faz?

Aos 5 anos, um brinde!

Três meses de vida

Quando tive a noticia

Um bebe concebido

Uma historia bem-vinda

palpitar do coração

incrível sensação

o que dizer então

dessa esperada estação

Curtimos a bessa

Felizes de montão

Apostei em menino

Era o marcos lindão

Hoje faz cinco anos

Privilegio demais

Ter passado ao lado

De um menino sagaz

Observador, educado

Solicito, engajado

Um menino da paz

Um adulto se faz

Parabéns a você

Um exemplo de filho

Meu Jesus obrigada

Por esse marquinhos!

Oscar!

Em noite de oscar um textinho sobre filme é quase obrigatório. Amo cinema! Sempre gostei, lembro da primeira vez que adentrei a sala escura, devia ter uns sete anos. Foi uma sessao dupla, um filme dos trapalhões com o quarteto didi, dedé, mussum e zacarias e o esperado xuxa contra o baixo-astral. Depois de vinte e tres anos ainda posso relatar os detalhes. Desde então não parei mais e já gastei muitas meias entradas nessa curta vida. Uma seleção certa de bons filmes pode influenciar em muito o destino de uma pessoa. Quantos aqui em situações de prisão e opressão não se lembraram do banho de chuva no final de “um sonho de liberdade” ou, ainda do grito do Willian Wallace no recomendadíssimo “Coração Valente”. O profético “Tempos Modernos” engraçado e super sensível. Os diálogos interessantíssimos de woody Allen em hannah e suas irmas, manhatan, noivo neurótico, noiva nervosa, match point, meia noite em paris e tantos outros. A coragem e os escândalos de Almodovar, a dramaticidade de Clint, a ousadia de Spielberg e a genialidade de Fernando Meireles. As surpresas de luc Besson e os desatinos de Tarantino. Já assisti muitos filmes e definitivamente estou com dificuldades em escolher sobre quais comentar. Não posso deixar de mencionar o brilhante ” brilho eterno de uma mente sem lembranças, o enigmático “O silêncio dos inocentes, a magia cotidiana no “Fabuloso destino de Amelie Poulain e a divisão de águas feita por “Cidade de Deus”. Amo os romances, como adoro assistir a romances. Como se fosse a primeira vez, diário de uma paixão, antes do amanhecer, antes do por do sol, a história de nós dois, memórias de uma gueixa, 500 dias sem ela, madenaires, uma carta de amor, as pontes de madison, de repente é amor, antes que termine o dia, p.s. eu te amo, um amor para recordar, uma linda mulher, cidade dos anjos, notthing hill, shakeaspeare apaixonado, dirty dancing, o filho da noiva, desejo e reparação, orgulho e preconceito, o amor é cego, a lista é infinita… Poderia ficar a cerimônia inteira do oscar falando sobre esse assunto, mas vou parar por aqui, sabendo que ficaram centenas de filmes de fora. Só vou falar um pouquinho sobre o que vi de melhor nesse ano, o rejuvenescedor Minhas tardes com margueritte, o constrangedor redenção, o denso a separação, falando de oscar gostei muito de a arvore da vida, historias cruzadas é uma versão light das atrocidades ocorridas naquela época nos EUA, ensaio sobre a cegueira foi fiel à obra, a origem foi injustiçado na premiação passada e cisne negro é dark demais, como a realidade. Nos próximos dias irei à telona ver os descendentes, tão perto e tão forte, o homem que mudou o jogo, cavalo de guerra, o artista, a invenção de hugo cabret, Albert Nobbs e os amores da casa de tolerância… Termino esse post agoniada porque a cada letra digitada lembro de pelo menos mais três filmes…

Observação: preciso de mais um texto para falar sobre os maléficios da cooptação da arte pelo capital por meio do oscar e o quanto isso influencia a disseminação cultural em um mundo globalizado…

Resposta aos anônimos

Sr. ou Sra. anonimo! (é uma pena a falta de identificação)

Jesus suportou o cumprimento da missão dele em amor e silencio, aceitou sua cruz e foi até o fim, nao se calou diante dàqueles que falavam sobre coisas que não praticavam. Não estou falando de perseguidores, estou relatando um fato ocorrido entre pessoas que se apresentam evangelicos. Não sei se leu o texto, parece que não… vou transcrever parte dele aqui para que faça um comentário contextualizado e de preferencia tendo coragem para se identificar. Convido voce para uma conversa real, o blog é publico e tudo que aqui está foi escrito ou transcrito por mim. Está aberto para comentários e debates. Você é muito bem vindo ou bem vinda, adoraria ter um tempo para conversarmos sobre todas essas questões levantadas no seu comentario – reino, força, controle humano, magoa, inveja, pecado, silencio, jesus, amor, principados, irmaos… na próxima visita coloque o seu nome, será levada(o) mais a sério se assim o fizer.. Segue a transcrição: Ainda sonho com o dia em que todos viverão e se encontrarão como verdadeiros filhos de Deus, num movimento anti-sistêmico, no qual o maior serve o menor, ama-se o traidor e há disposição para quantas milhas forem necessárias. Um ambiente em que o pastor não seja um defraudador, profetas não sejam de baal, mestres não ensinem doutrinas humanas, evangelistas não sonhem bombar sua denominaçao, mas avançar com o Reino  e apostolos sejam reais. O maior interessado em tudo isso continua sendo o criador de todas as coisas. Que Ele tenha misericordia de nós que com os lábios o chamamos Senhor, Senhor, mas não somos governados por Ele nem para amar o irmão que não frequenta mais as mesmas quatro paredes… Perdoa-nos, Pai!

Duas gravidissimas!

o milagre da vida

um ser gerado

amor materializado

não só corpo transformado

mas tudo mudado pra sempre

grávidas de sonhos

e também gravidas de gente

lindas e queridas

são essas gatissimas

amo-as!

Festa Preto e Branco! (138°)

Uma das preocupaçoes da sheila com relaçao ao seu aniversário era se todas as pessoas que os ajudaram com a nova casa estariam presentes. Se as pessoas prestigiariam o momento. No dia até brinquei de falar sério com ela e a avisei que deveria orar para que Deus preparasse tudo. O tão sonhado dia chegou. Deixamos um convite aberto no face e o intento eramos contruir juntos uma festa para essa menina-mulher, cada um levando algo e todos aproveitando o momento. No dia anterior, faltando pouco para as vinte horas o céu se desabou em agua. Ficamos preocupados e desde então falavamos com o Pai para dar uma segurada na chuva. Assim foi! Enquanto enchiamos os baloes o céu fechou e parecia que a agua ia descer, juntamos os pequeninos e falamos com Deus rapidinho para segurar a chuva no céu por mais um tempo. Os convidados não paravam mais de chegar. A ludy havia pego a a aniversariante horas antes para dar um grau no visual e fez um trabalho lindo, chegaram as duas cheias de novidades de suas andanças no shopping. Os amigos da comunidade estrutural e jeová shamah estavam presentes e grande parte do grupo infância, seus filhos e maridos. Tia flávia, anderson, keila, joao, vini também marcaram presença. Agora o que não faltava mesmo eram crianças. Ainda bem que o tio Beto é tranquilo e eficiente nas decisões, se dependessem de mim tinha trancado todos em um quintal minusculo. Eles correram, brincaram, soltaram bolhas de sabão, dançaram e se encantaram com toda parafernalia maravilhosa trazida pelo anderson e lili. Tinha de tudo jogo de luz, som, iluminação e até fumaça. Alice e victor chegaram com o bolo do flamento, exigencia trágica da aniversariante e tia isabel e tabata levaram os tão desejados brigadeiros. Muitos presentinhos, pessoas queridas e animadas, declarações de um novo tempo para uma nova menina em uma nova casa com novos amigos e o mais incrível e surpreendente de tudo, um Deus que é Pai e cuida dos minimos detalhes… Obrigada Jesus por tudo que você fez nessa noite, obrigada pelos milagres e manifestações de amor. Obrigada pelos trovões e agua do céu… Amo-O!!!!

Fofoca (parte 1)

A fofoca é uma desgraça! Conheço pessoas que afirmam categoricamente que não tem vicio nenhum, mas não passam um dia sequer sem falar da vida alheia. Isso está impregnado na nossa cultura. Porque existem tantas opções de revistas sobre celebridades? porque tele-novela faz tanto sucesso no Brasil? A fofoca é a grande mola mestre disso tudo. Daqui a pouco teremos uma “Caras” gospel com milhares de assinantes fieis. Acordem, moçoilas!!! Podemos muito mais, temos matéria-prima para vislumbrar o inimaginável…

Tem uma frase que acho incrível e desde a primeira vez que a li, luto para fazer parte do terceiro grupo. Diz o seguinte: “Pessoas medíocres falam sobre pessoas, pessoas comunsfalam sobre coisas e pessoas extraordinárias falam sobre idéias”. Nos últimos anos tenho me interessado muito mais por rodinhas masculinas do que pelos grupinhos das meninas. É sério! A conversa na maior parte das rodas de mulheres gira em torno de pessoas e coisas. Fala-se sobre a fulana de tal, ciclano de não sei aonde, sobre cor do cabelo, ultima tendência da moda ou da estética, filhos e maridos, com uma tendência fortíssima de critica e insatisfação.

Meninas, podemos conversar sobre muitos outros assuntos! A nossa conversa pode nos transformar em pessoas melhores, pode desencadear processos necessários na nossa vida e navida de outros, pode mudar o mundo! Não tenho problema algum em falar sobre a última tendência, mas com certeza tentarei levar a conversa para o porquê precisamos seguir as tendências, adoro ouvir uma história engraçada ou um drama real, mas resumir horas e horas de conversa nisso é inaceitável.

Se querem falar sobre filhos, saiamos desse tom nonsense de reclames e cotidiano fútil e passemos para o grande empreendimento que temos nas mãos, o de mentoriar pessoas para viverem tudo que foram chamadas para ser. Soluções, alternativas, uma conversa criativa e cheia de paixão. Quer falar sobre a igreja, então se inclua e fale sobre você, quer falar sobre o governo, faça o mesmo, afinal o Estado somos nós, nós somos a sociedade e a igreja. Nós estamos construindo aquilo que insistimos em criticar. Não quero saber mais de criticas vazias que não propõem nenhum tipo de mudança, não quero mais ouvir opiniões maniqueístas e levianas de pessoas que não arredam um pé para fazer diferente. Conversas inúteis e superficiais definitivamente não me interessam, prefiro passar esse tempo com as crianças que, definitivamente, não têm nada de mediocridade. Posso gastar essas horinhas de bate-papo comum lendo coisas, orando, pensando ou simplesmente, dormindo!

Órfã! (137°)

A revelação da paternidade de Deus para mim foi lenta e bem dolorosa. Primeiro porque o meu referencial de pai não era dos melhores, segundo porque aos vinte e poucos anos de idade a independência inebriava os meus sentidos. Não conseguia conceber na mesma frase amor, pai, confiança e deus. Na minha primeira gestação o processo ficou mais visível. Ele começou a fazer alguns paralelos com o fato de eu estar gerando algo que dependia única e exclusivamente de mim para comer, respirar e se manter vivo. Uma linguagem mais acessível, no entanto os entraves da minha parte continuavam. Desde então o processo se intensificou muito e quanto mais me entrego a revelação do seu doce amor mais descubro o quanto estou distante. Nos últimos dias Ele tem vindo sem anestésicos, me mostrando cotidianamente por meio dos nove irmãos o quanto dificulto o processo e o quanto Ele continua insistindo comigo. Que amor é esse? Que louco e obstinado amor!

Ele não me larga, nunca desistiu de mim, tem toda a paciência do universo e continua acreditando que um dia de fato e verdade me tornarei sua filha e manifestarei suas obras na terra. Ele cria todos os cenários possíveis para que isso aconteça, me faz experimentar da presença, da glória e do seu poder, me dá direções, me ensina e conduz os meus passos. Perdoa todos os meus pecados, erros e vacilos, espera pelos frutos do meu arrependimento com a mesma expectativa que esperou desde a primeira vez. Repete a mesma coisa mil vezes acreditando que um dia vou assimilar e praticar, cuida dos meus e das minhas coisas como se fossem Dele e incita em mim o desejo pelo eterno. Ele é temerosamente lindo na empreitada de transformar uma órfã em filha amada…

Sheila – Bar mitzvah

Sheila, seu aniversário está chegando, o que voce vai querer ganhar?

Uma festa! nunca tive uma festa…

Sheila é uma menina que completou 16 anos e já viveu tantas coisas em tão pouco tempo de vida, mas nunca vivenciou uma celebração do seu aniversário. Pela primeira vez vai participar de uma festa sem bebida, drogas e violência. Nos últimos dias ela tem vivido muitas novidades. Coisa mais linda foi presenciar essa menina sentindo o doce amor de Deus pela primeira vez. Deus tem transformado o destino dessa garota e a sua festa faz parte dessa metamorfose intensa e irreversível. Faremos uma festa preto e branco, com a exceção do bolo que será do flamengo, já percebeu que o momento não será perfeito né. Queremos fazer o melhor para essa menina que tem uma carga de mulher. Salgadinhos, bolo, docinhos, luzes, som, presentes, balões, a presença de todos e o mais importante o desencadeamento de processos. Vamos fazer uma espécie de Bar Mitzvah. Na cultura judaica quando uma criança alcançava os seus doze ou treze anos participava de um rito de passagem, no qual era abençoada e a partir dali vista como um membro maduro da comunidade. Tornava-se filho ou filha do mandamento. não precisava mais mostrar sua masculinidade ou feminilidade por meio das drogas ou sexo. Tinha uma identidade de filho de Deus e caminhava sobre isso o resto da sua vida. A proposta é essa para o próximo dia vinte e quatro. Ajude-nos em oraçao e venha fazer parte de algo atemporal… Juntos por UM, podemos muito!

Pastor defraudador (136°)

Esses dias presenciei uma cena deplorável, não que fosse novidade, mas tenho sempre a esperança de que algo mudou. O cenário era uma reunião social cheia de evangélicos. Irmãos e irmãs em cristo, pelo menos teoricamente. O que vi foram pessoas virando a cara um para o outro, deixando de entrar no recinto porque não queriam ver outro irmao e saindo a francesa por não terem coragem de amar, gente dizendo que quem não frequenta essa ou aquela denominaçao é apostata e toda sorte de coisas. O mais lamentável é que uma dessas pessoas quer ensinar sobre amor, perdão e misericórdia, grita falando sobre isso. Se auto intitulam homens e mulheres de Deus, mas almejam controlar tudo e todos.

Ainda sonho com o dia em que todos viverão e se encontrarão como verdadeiros filhos de Deus, num movimento anti-sistêmico, no qual o maior serve o menor, ama-se o traidor e há disposição para quantas milhas forem necessárias. Um ambiente em que o pastor não seja um defraudador, profetas não sejam de baal, mestres não ensinem doutrinas humanas, evangelistas não sonhem bombar sua denominaçao, mas avançar com o Reino  e apostolos sejam reais. O maior interessado em tudo isso continua sendo o criador de todas as coisas. Que Ele tenha misericordia de nós que com os lábios o chamamos Senhor, Senhor, mas não somos governados por Ele nem para amar o irmão que não frequenta mais as mesmas quatro paredes… Perdoa-nos, Pai!

E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós. 1 João 1:5-10

Ditadura da mediocridade.

Mediocridade é um assunto espinhoso pelo simples fato de vivermos numa ditadura que nos impõe a vida medíocre como cotidiana e natural. A naturalização da mediocridade e a sua reprodução fazem parte da nossa construção. É uma das matérias-primas da nossa geração. Escrevo isso aos trinta anos, estou falando de três décadas de vida medíocre. Somos assolados e engolidos pelo sistema feito por nós mesmos. Superficiais e levianos nos relacionamentos, simplórios e maniqueístas nas opiniões, capacidade de reflexão baixa e senso critico bem prejudicado. Especulo que a vida de um não-mediocre em época de epidemia da mediocridade seja bem conflituosa e solitária. Necessariamente o conceito dessa doença está atrelado a falta de autenticidade e originalidade, passa por episódios simples como a cor e o tipo do cabelo até cenários complexos, passando por que tipo de legado estamos deixando para a próxima geração. Numa ditadura da mediocridade, as luzes no cabelo tomam proporções de extrema importância em detrimento da quantidade de sinapses feitas por essa mesma cabeça que segura os fios desse mesmo cabelo. O valor do carro será sempre mais importante do que os valores do ser, as etiquetas das roupas denunciam o quanto a pessoa é interessante e não mais as suas convicções ou ideais. O idealismo é cafona e ultrapassado, o bem-comum é teórico e distante, a solidariedade para grilos e gafanhotos, o amor, uma filosofia piegas e a próxima geração que colha os frutos podres que estamos adubando com a forma que gastamos o nosso tempo e o nosso dinheiro, afinal de contas, chique mesmo é manter a carcaça…

Abaixo a mediocridade! (135°)

Quais são seus referenciais?

Quais são os espelhos?

Você é só mais um?

Gosta de evitar a fadiga?

Se parece com você?

Ou é mais tecnológico?

Insiste em afirmar que não tem vício?

Insiste sempre em agradar?

Procrastinar é seu passatempo favorito?

E o seu cotidiano?

Sente isso?

Saudável é o que para você?

Anda com quem?

Está reproduzindo o quê?

Tem antídoto?

Não se padronize!!!!!!

Você é uma obra peculiar… Dt 7:6

Carta de amigo!

Gostaria mais de receber uma do que de enviar… Tá no blog da vivoporti
Parte de uma carta de Lutero a seu amigo Filipe Melachnton (27 de junho de 1530)

“Essas grandes preocupações pelas quais você diz estar sendo consumido, eu as odeio veementemente; elas dominam o seu coração, não por conta a grandeza da causa, mas em razão da grandeza da sua incredulidade… Se a nossa causa é grandiosa, o Seu autor e campeão é grandioso também, pois não é nossa causa. Por que você está, então, sempre atormentando a si mesmo? Se a nossa causa é falsa, vamos desistir, mas se é verdadeira, por que devemos fazer dele um mentiroso quando nos ordena manter um coração despreocupado? Lança o teu fardo sobre o Senhor, diz Ele. O Senhor está perto de todos os que o invocam com o coração partido. Será que ele falar em vão ou a animais?… Que bem você pode produzir com a sua vã ansiedade? O que o diabo pode fazer mais do que nos matar? E depois disso? Peço a você, tão combativo em todas as outras coisas, lute contra si mesmo, o seu pior inimigo, que fornecerá a Satanás armas contra você mesmo… Oro por você sinceramente, e estou profundamente angustiado por você continuar sorvendo preocupações como uma sanguessuga e tornando, assim, as minhas orações vãs. Cristo sabe se é estupidez ou a bravura, mas não estou muito preocupado, na verdade uma coragem maior do que eu esperava. O Deus que é capaz de ressuscitar os mortos também é capaz de defender uma causa cambaleante, ou levantar um caído e torná-lo forte. Se não somos instrumentos dignos de realizar Seu propósito, ele encontrará outros. Se não somos fortalecidos por Suas promessas, a quem mais, em todo o mundo, podem elas pertencer? Mas dizer mais alguma coisa, seria chover no molhado.”

Carta de jesus a um jovem pós-moderno

Há quanto tempo não nos falamos! Quero lhe dar uma boa notícia, dizer que eu lhe amo com um amor obstinado, um amor escancarado, um amor inexplicável. Quero muito que entenda isso, porque quando essa informação fizer parte da sua matéria prima você vai pirar. É isso mesmo! A sua vontade vai ser apregoar isso aos quatro cantos, ficar na minha presença durante horas e ler os escritos com uma curiosidade e vontade nunca antes experimentados. O meu amor por você supera todas as coisas e está acima de tudo. Nada pode alterar esse sentimento. Nem as profundas trevas, tampouco o que está acima do céu. É um amor brutal e assombroso, intenso e inesgotável. Estou batendo na mesma tecla porque não posso conversar sobre nenhum outro assunto contigo antes que o meu amor seja exalado nos seus poros. Você já estudou que a maior parte do seu corpo é constituído por água, agora precisa saber que todo o seu corpo é formado e sustentado pelo meu amor. O amor que sinto por você é tão pratico e libertador. Quando essa verdade lhe impregnar nada que estiver acontecendo ao seu redor vai desestabilizá-lo. Sei que já assistiu a tantos filmes e desenhos de heróis e super poderes, agora vai descobrir a intensidade e praticidade do poder do meu amor por você. Nenhuma circunstância pode ofuscá-lo, nenhuma chateação ou decepção poderá embaçar esse louco amor. E isso está disponível para todos que queiram. Nesse século de consumo e mercantilização essa notícia vai ser incrível também para os seus amigos do facebook. É gratuito e liberado em doses cavalares e irrestritas. Esse amor é real e não pode ser comparado com nenhum barato ou prazer. Ele é constrangedor, cheio de serotonina e  libertador. Termino por aqui dizendo que contra ele não há nenhuma lei. Nada do que já tenham dito ou ainda vão dizer pode se opor à profundidade, à largura e ao tamanho do doce amor do Pai disponível para você… Vê se aparece!

Jesus de Nazaré

Pílulas do Alto (134°)

Sabe porque existe miséria no mundo, no nordeste e na estrutural? Porque eu, você e milhões de outros cristãos não deixamos Cristo governar nossas vidas!

Invista tempo e dinheiro com os filhos paridos por você e também com aqueles paridos por outras mulheres.

Jesus fez, Heidi Baker e cristãos africanos fazem, eu e você também podemos fazer. Intimidade com o Pai!

Cultura do Reino não é uma marca, não é um evento, não é um adesivo. Cultura do Reino é o governo de cristo em mim cotidianamente!

Até Jesus dependeu do Pai em tudo, porque queremos o controle sempre?

Passe horas e horas só com Ele, não há nada mais eficiente que você possa fazer para o Reino de Deus avançar nessa terra.

Tenho que aprender a não fazer NUNCA a minha própria vontade.

Jesus não trouxe uma religião, uma filosofia, um conjunto de regras e conceitos, um código moral. Jesus trouxe Ele mesmo, a ressurreição e a vida!

Se Jesus foi homem, pisou nessa terra, chorou, precisou dormir, sorriu, gargalhou, nós também podemos fazer o que Ele fez, viver como Ele nessa terra. Deixa vir as obras maiores…

Quem mata a lagarta nunca vai contemplar o vôo da borboleta! Invista na próxima geração.

Abaixo o controle social! Eu quero o controle de Deus!!!!

Intencionalidade!!!! Ame a próxima geração…

O conceito de adoração é amplo demais. Ame um desconhecido, ame um desajustado!

Jesus Cristo em nós: uma revolução silenciosa!

Somente o criador pode mudar, criar, desconstruir, reconstruir. Será que aos 31 anos consigo assimilar isso??

Tudo já está pronto nas regiões celestes, tudo que diz respeito a você já aconteceu. Alinhe-se a Ele!

Existe um que não falha: Jesus cristo. Arrisque conhecê-lo.

Falta de informação é o grande motivo de nossas mazelas. “Conhecereis a verdade e ela vai te libertar”, busque-O mais do que a sua própria vida.

Uma simbiose com o meu amado. Vem Jesus, um lugarzinho para dois, só eu e você!

Sonho de consumo: achar algo em mim que não é meu e que todos possam ter – o doce amor do Pai.

Se há algo bom em mim, isso pertence exclusivamente a Ele.

Termômetro do governo de Deus: paz inexplicável.

Senhorio, governo, mordomia: um tripé desafiador para a nossa geração.

O melhor anestésico de todos os tempos: o amor de Deus. Ele tira o seu ilusório chão e você rialto…

Em Deus está o querer e o realizar. Não se glorie em nada!

2036

Estou com mil assuntos na cabeça e quero escrever sobre todos! Milagres, fetiches, consumo, hipocrisia, amor, metamorfose, metanoia, transmutação, borboletas, crianças, educação, raiva, precipitação, processos, desencadeamentos, alegrias, preguiça, indisciplina, jejum, leitura, bíblia, tempo, falta de tempo, capitalismo, alinhamento, amizade, aventuras, desventuras, oração, caminhada, filhos, pais, órfãos, prostitutas, trabalho, pensamento, sinapses, casamento, sexo, joaninhas, natureza, adoração, desespero, descanso, catalisadores, mediocridade, contemporaneidade, viciados, crack, miséria, jovens, sociedade, apostolado, homens, mulheres, missão integral, vocacionados, morte, vida, caras incríveis, mulheres fantásticas, televisão, amadurecimento, dor, sofrimento, infância, musica, paradigmas, cultura, Reino, hábitos, modernidade, tecnologia, relacionamentos, orgulho, ajuntamentos, escribas e fariseus, publicanos, discípulos, pecado, fé, medo, meio ambiente, cinema, favela, burguesia, conceitos, santidade, paradigmas, estereótipos, liberdade, religiosidade, castração, libertação, contra-cultura, Jesus, solidariedade… Não quero esperar a minha aposentadoria em 2036 para isso!

Tic-tac-tic-tac (133°)

O  tempo está se esgotando

O tempo está inebriando

O tempo constroi a ilusão

O tempo não vai curar não

Uma fábrica de mentiras

O controle no seu pulso

Tic-tac-tic-tac

Um estorvo para o Rei

Olha o ceu e nao entende

Pisa a terra e se ressente

Atemporais, seres reais

Eternidade, tempo da gente!

1 pra cada dia! (132°)

1 O verdadeiro amor lança fora todo o medo;

2 O verdadeiro amor destroi todo o medo;

3 O verdadeiro amor acaba com todo o medo;

4 O verdadeiro amor aniquila todo o medo;

5 O verdadeiro amor esmaga todo o medo;

6 O verdadeiro amor manda embora todo o medo;

7 O verdadeiro amor sucumbe todo o medo;

8 O verdadeiro amor tira o poder de todo o medo;

9 O verdadeiro amor implode todo o medo;

10 O verdadeiro amor explode todo o medo;

11 O verdadeiro amor soterra todo o medo;

12 O verdadeiro amor põe abaixo todo o medo;

13 O verdadeiro amor esquarteja todo o medo;

14 O verdadeiro amor assassina todo o medo;

15 O verdadeiro amor mata todo o medo;

16 O verdadeiro amor fuzila todo o medo;

17 O verdadeiro amor catapulta todo o medo;

18 O verdadeiro amor naufraga todo o medo;

19 O verdadeiro amor atemoriza todo o medo;

20 O verdadeiro amor amedronta todo o medo;

21 O verdadeiro amor trucida todo o medo;

22 O verdadeiro amor evapora todo o medo;

23 O verdadeiro amor excreta todo o medo;

24 O verdadeiro amor asfixia todo o medo;

25 O verdadeiro amor inibe todo o medo;

26 O verdadeiro amor enxota todo o medo;

27 O verdadeiro amor espezinha todo o medo;

28 O verdadeiro amor esfaqueia todo o medo;

29 O verdadeiro amor abafa todo o medo;

30 O verdadeiro amor faz desaparecer todo o medo;

O sistema é uma m_ _ _ _! (131°)

Temos um destino! Quero gritar a todo o mundo isso. Somos atemporais, imateriais, seres eternos. No entanto, insistimos em viver como materiais, temporais e terrestres.

Deus foi objetivo em nos criar “Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs a eternidade no coração do homem, sem que este possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim (Eclesiastes 3:11)”. Não fomos criados para controlar ou prever o amanhã, fomos, sim, feitos para dependermos do Criador. O trecho diz que não podemos descobrir o que Deus projetou, Ele tem um plano sempre, um mistério constante para a humanidade. Ignoramos isso na vida prática, queremos o controle o tempo todo, usamos relógios por causa disso, aprisionamos pássaros nas gaiolas e peixes em aquários também por esse motivo mesquinho e cruel. Estimulamos o hedonismo, o consumismo, o humanismo em nossos filhos. Legitimamos tudo com um discursso ridiculo de justificação do capitalismo e toda sorte de maldade institucionalizada. Criamos um sistema que  nos dá a sensação de que controlamos alguma coisa, de que possuímos. Vivemos uma mentira! Vivemos uma ilusão! Nossos conceitos são deturpados, nossa forma de viver e fazer sociedade é maléfica e desigual.  Ensinamos isso a outra geração, aprimoramos a nossa estupidez nela cotidianamente.

Até aqui esse é o nosso legado!

Precisamos de uma intervenção, uma desconstrução, uma dose cavalar de graça e misericordia. Precisamos ler os evangelhos como se nunca tivessemos feito isso antes, precisamos contemplar a Jesus com a esperança de que podemos nos parecer com Ele, precisamos de uma vez por todas entregar o governo das nossas vidas ao Rei, deixar Cristo ser formado em nós. Temos um destino no Pai, temos um lugar de descanso, uma proposta de paz que excede todo e qualquer pensamento. Ainda temos sangue correndo nas nossas veias e sinapses sendo feitas no nosso cerebro. Há esperança para nós, podemos deixar outro legado para as futuras gerações!

Tenho trinta anos e não aguento mais a forma que contruí e que fui construida durante todo esse tempo. Quero o irrevogável, o imutável, o escândalo da Cruz, a loucura da graça, a subversão do ser e fazer cristão. Um movimento contra-cultural, uma metánoia…

Alguem aí do outro lado da tela pode compartilhar peloamordedeus esse sentimento comigo?!?!?!

 

O tempo

O TEMPO

Laurindo Rabelo

Deus pede estrita conta do eu tempo.

É forçoso, do tempo já dar conta.

Mas comodar, sem tempo tanta conta,

Eu que gastei, sem conta, tanto tempo.

Para ter minha conta feita a tempo,

Dado me foi, bom tempo, e não fiz conta.

Não quis, sobrando tempo, fazer conta.

Quero hoje fazer conta e falta tempo.

Porque não ler bom livro em todo o tempo, Vós que levais o tempo em pouca conta?

Tornai-vos sábios, aproveitando o tempo,

Lendo! Lendo! Lendo!!! Sem ter conta.

Deus pede estrita conta do teu tempo.

Ireis, do vosso tempo, tanta conta.

Mas como, dar do tempo, tanta conta,

Quem, nem a Bíblia leu em nenhum tempo.

Generosidade

Nessa semana tivemos três estréias no “Mãe solidária”. As terças e quintas temos a presença da Flávia que tem um coração enorme e está ensinando a Leila e a Sheila a criarem coisas incríveis com feltro. O primeiro dia de aula foi na terça, a Flávia buscou as adolescentes e levou um bolinho e pipoca para os menores que ficaram em casa assistindo a um filme. Precisamos de pessoas disponíveis para terça e quinta a tarde. Enquanto as meninas estão na casa da Flavia produzindo, as crianças ficarão acompanhadas por um adulto.

Ontem foi o dia da Marielle, chegou no meio da manha e ficou até o inicio da noite. Foi conquistado pelas beiradas o coração de todos eles. Fez uma mousse de maracujá e se deparou com diversas necessidades. Quando cheguei as crianças estavam elogiando a sua comida e as adolescentes dizendo o quanto acharam ela legal. A sugestão da Mari Mari é que juntemos umas três mulheres para dar uma faxina na casa deles. Já tem um mês que estão lá e precisam dessa ajuda. Quem puder nos avise.

Hoje a estréia foi da Nelma, ela é estudante de serviço social e vai fazer parte de seu estágio em companhia das crianças. Toda quinta das oito ao meio-dia lá estará ela colocando a meninada para escovar os dentes, ajeitar a casa e o mais importante passando um tempo com a turminha, ensinando e mostrando que eles são importantes. A idéia é construirmos o diário da mãe solidaria. Um caderno disponível na nova casa para que cada mãezinha que passe por lá deixe registrado o que aconteceu de bom e ruim, o que deve ser feito e tudo o mais. Hoje o tio Vini vai acompanhar o Willian em uma consulta no posto de saúde. No sábado teremos um café da manhã junto com a tia Isabel e aproveito a oportunidade para convidar todas vocês para esse momento lindo que teremos.

Não posso deixar de mencionar a ajuda dos motoristas do Gabriel: tio Beto, tio Henrique, tia Camila, tia paulinha, tia vanessa, dos carregadores oficiais de móveis: tio Anderson, tio lídio, tio junior e tio pedro, do montador operacional: tio Victor e das gatissimas que deram o primeiro grau na nova casa dos órfãos antes deles mudarem: tia alice e tia rita e também a todos e todas que montaram a casa das crianças doando moveis e utensílios, a todos que estão colaborando com os alimentos e todos aqueles que vão manter essas crianças e adolescentes vivendo de forma digna. Os desafios são imensos e complexos, mas acreditamos que Juntos por UM, podemos muito…

Que venha a cultura do Reino sobre nós!

Jesus Pintor (130)

Hoje recebi um e-mail que alegrou o meu espírito, a criação de um artista da Flórida que prefere permanecer no anonimato e diz que quer que as obras falem por si mesmas. Ele pinta quadros enormes (do tamanho de uma porta) em 30-45 minutos. Fiquei alegre demais porque ele desmistifica a pessoa de Jesus. A própria bíblia afirma que o mestre chorou, imagina você se Ele não riu a bessa durante a sua estada nessa terra. Fico especulando como Ele deve ri de algumas das nossas atitudes até hoje. Jesus é lindo demais, fantástico e surpreendente! Na gravura abaixo, a tradução é “Eu sou a Luz, quem me segue nunca está na escuridão. Eu te amo, Jesus Cristo!!! E foram assinadas “Jesus Painter (Jesus Pintor). Sem dúvida nenhuma o maior artista de todos os tempos, principalmente do nosso mundo interno… Quero um quadro desse na minha casa!!!!!!!

O irmão mais velho

Parte 1

Estou escrevendo esse post quarenta minutos antes de chegar ao Centro de Assistência a Jovens e Adolescentes. Ontem foi aniversário do Gemerson, irmão mais velho das crianças que se mudaram para a casa nova. A minha tensão é palpável, tendo em vista que não consegui parar de pensar na humilhação que vou me submeter nos próximos minutos. Vou ficar nua e ainda terei que abaixar três vezes na frente de pessoas desconhecidas. Isso gela a minha espinha. Sei que para muitos é uma grande bobagem, mas pensar nisso me pertuba. Encomendamos salgadinhos, docinhos e uma torta no melhor lugar de Brasilia, vou buscar agora e depois conto para vocês como foi. As crianças estão vindo com o Beto, iremos nos encontrar daqui a pouco.

Parte 2

Já vou dizendo logo que a  barreira que tinha de visitar presidiários foi demolida, o tabu foi quebrado e estou pensando que as vezes atribuímos uma dificuldade imensa a algo que é simples e estúpido. Tudo bem que é muito chato, afinal não estava levando drogas nem metal cortante, é bem chato ter de abaixar pelada e tal, mas torna-se uma picuinha comparada a importância de visitar os que estão presos, privados de todo tipo de contato externo, privados da liberdade de ir e vir. Qualquer processo de humilhação deve ser encarado como natural e bem-vindo se o nosso referencial é a atemporalidade.

Estavam todos lá quando cheguei, o tio Beto e sua prole de oito. Expliquei para as crianças o motivo de elas terem que tirar suas roupinhas e também passarem pela revista, conversamos sobre o assunto e seguimos para o quartinho. A agente acostumada com uma fila enorme do lado de fora, não percebeu que só havíamos nós e insistia em não pedir por favor, nem com licença. Tive que lembrá-la de que podia fazer com calma e educação, tendo em vista que estava lidando com crianças e cidadãos. Ela amenizou a exasperação e explicou que não gostava do que fazia. As regras para visita são várias, é proibida a entrada de pessoas com roupas pretas, essa cor é exclusividade dos agentes penitenciários. Não podíamos levar vela, nem descartáveis muito menos maquina fotográfica. No entanto, tínhamos o mais importante, todos os irmãos juntos pela primeira vez desde o assassinato da mãe. Fomos para uma salinha com mesa, cadeiras e um sofá confortável e nos avisaram que teríamos que esperar um pouco. As crianças estavam em polvorosa, as adolescentes super ansiosas. Sugeri a brincadeira “telefone sem fio” para acalmar os ânimos, não gostaram muito, daí começamos a passar o anel. No início o Wemerson disse que não ia brincar de jeito nenhum, começamos com os outros e eles se divertiram a bessa, daqui há pouco lá estava o wemerson com as mãos juntinhas esperando o anel chegar até ele. Foi super divertido e não sentimos mais a espera. Depois de um tempo de brincadeira a Renata nos avisa que o Gemerson estava chegando. Conseguimos uma vela lá na seção mesmo e ele foi recepcionado com um caloroso abraço de sua irmã Leila, seguido pelos abraços de todos os outros irmãos ao som de “parabéns pra você” e “é pique, é pique, é pique”. Esperamos a nossa vez para cumprimentá-lo e abraçá-lo. Foi uma tarde em família.

Percebi que o Gemerson é um rapaz muito quieto e calado, parece que guarda o mundo dentro de si, fiquei um pouco triste porque o fardo das pessoas com essas características acaba sendo pesado demais, ainda mais ele que não teve um encontro com a pessoa de Jesus. Oramos e deixamos os irmãos livres para conversarem e matarem um pouquinho da saudade. A Renata conseguiu tirar uma foto de porta retrato com todos os irmãos, o momento está registrado não somente na nossa memória. O tempo foi curto e saímos de lá com a promessa que da próxima vez passaríamos uma manha inteira com o Gemerson e seus irmãos… Orem por ele!

Uma desconstrução

O que é Cultura do Reino?

Na carta aos corintos, Paulo, um pária da sociedade, afirma categoricamente que o Reino de Deus não consiste em palavras, mas em poder. De imediato inferimos que o discurso não faz parte da cultura do Reino, o blábláblá, o muito falar não são características dessa nova ordem. A prática é condição sine qua non para que o Reino de Deus venha, o quanto somos a palavra, o quanto nos parecemos com Jesus no nosso dia-a-dia são determinantes. João relata um diálogo intrigante quando escreve sobre o ministério de Jesus. Conta sobre Nicodemos, um sabichão da Lei, que queria muito entender que tipo de prática era aquela que o carpinteiro fazia. Reconheceu Jesus como mestre por causa dos sinais, acreditava no que via, mas não compreendia. No silêncio da madrugada, ele indagou Jesus. A resposta do Mestre caiu como uma bomba em seu colo: “Na verdade, na verdade lhe digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”. Se Nicodemos tinha alguma dúvida, nesse momento estava submerso em um mar de questionamentos. Com uma mente natural ele responde “é possível alguém voltar para o ventre de sua mãe e nascer outra vez?” Jesus, com sua maestria e belíssimo humor, responde ao fariseu “você é mestre em Israel e não sabe sobre essas coisas?” Nesse momento, Jesus perde um pouco a empolgação na conversa e diz que a partir dali o papo não fluiria tão bem. Explica a Nicodemos que se tratando de uma análise de fenômenos naturais, como a chuva e o vento, ele já não entendia, imagine quando começasse a falar sobre as coisas espirituais. Inferimos nesse diálogo que será impossível entendermos o Reino se não pensarmos de uma nova forma, em uma outra dimensão. Os neurocientistas afirmam que fazemos basicamente os mesmos caminhos no nosso cérebro para respondermos a tudo que nos aparece. Há milhares de neurônios e esses podem fazer bilhares de conexões, no entanto utilizamos uma porcentagem mínima disso no nosso cotidiano. As células neurais com o tempo e sua constante subutilização vão se extinguindo e a medida que o tempo passa temos mais dificuldades em mudar. O que quero dizer com tudo isso é que fomos feitos fisiologicamente para termos a mente renovada, encontrarmos novas formas de responder às mesmas questões. Temos um reprogramador a nossa disposição, a Palavra de Deus. Não gosto e nem acredito em fórmulas, no entanto, posso afirmar, categoricamente, que não experimentaremos o poder se não lermos a Sua palavra e passarmos horas e mais horas com Ele.

Na cultura do Reino, podemos racionalmente escolher passar três horas somente com ele e Sua palavra ao invés de ficarmos esse mesmo tempo na frente da tela da TV ou do computador ou, ainda, passeando no shopping.

Atitudes práticas para uma vida prática de poder. Tá afim?!?!?

O primeiro livro da vida deles…

As crianças estão sendo bombardeadas desde o dia em que o primeiro deles passou o final de semana lá em casa. No primeiro dia da Sheila a levei ao Centro Cultural Banco do Brasil e tivemos uma dose cavalar de imagens, sons e sonhos. Assistimos ao espetáculo Birili e o pote vazio e uma apresentação circense incrível da companhia sonho e imagem. Quando estão na nossa casa eles têm acesso irrestrito a livros e imagens. Ficam livres para pintar, desenhar e perguntar. Essa semana foram todos ao teatro, alguns pela primeira vez. Assistimos ao extraordinário “O Menino que vendia palavras”, uma adaptação de um livro premiadíssimo de Ignácio Brandão. Uma historia lúdica e séria, infantil e madura, colorida e engraçada, intensa e relaxante. Um historia para todas as idades. Um cenário lindo com uma estante enorme cheia de livros, um elenco carismático e performático e um grupo de crianças analfabetas na platéia. Via aquilo e não tirava da minha cabeça o dia em que todos estarão lendo e trocando livros comigo e entre si. Todas as viagens que farão nos labirintos da imaginação em cada livro iniciado.

O próximo programa cultural é levá-los à Livraria Cultura, serão estimulados a escolherem cada qual o seu livro. Vale tudo! livros pequenos, grandes, finos, grossos, cheio de gravuras, somente com letras ou, ainda, com imagens. Eles estarão livres para desbravar e encontrar algo que desperte o interesse para a libertadora prática de ler os livros, o mundo, a vida… Vão desvendar mistérios, descobrir curiosidades e brincar com  a imaginação.

Todos aqui sabem que livro no Brasil é artigo de luxo. São bem caros e pouco disseminados, por isso a minha proposta é que você venha com a gente presentear essas crianças e adolescentes cheios de potencial com o primeiro livro de suas vidas! Imagine você contando essa história no futuro: dei o primeiro livro ao professor willian, a escritora queila, ao estudioso wemerson, a empenhada Leila, a missionária Sheila, ao fantástico Gabriel, a criativa vitoria, ao engenhoso Lucas… Vai ser demais!

Aproveitando o ensejo, que tal você não ligar a TV hoje, desligar o seu computador e pegar aquele livro encostado em algum canto da sua casa? Ler é a melhor forma de ensinar a próxima geração o prazer dos livros. Boa leitura!

Vontade que dá e fica!

Vontade de ler os clássicos: Agostinho, Dostoievski, Paulo de tarso, George Orwell, Teresa d’avila, Cícero, pentateuco, Marx, machado, lobato, Antônio Vieira, Thomas de Aquino, A.W Tozer, C.S. Lewis, Calvino, Proust, Voltaire, Austen, Rosa de Luxemburgo, …

Vontade de ler os modernos: Saramago, Tolkien, Camus, Garcia marques, Rubem alves, manoel bandeira, Ignácio Brandão, ariano suassuna, bauman…

Vontade de ler os pensadores práticos: hannah arendt, Paulo freire, Zé Pacheco, Winnicott, Bowlby, Moreno,  Tonucci, Eduardo Gianetti, Nicolellis, Maria Zambrano…

Vontade de ler biografias: Jesus Cristo, Brainerd, Madre Teresa, Akio Morita, Bono Vox, Moravianos, Luther king, Mandela, Betinho, Chaplin, O outro lado de mim, Ghandhi, Einstein, Fleming, Adeus, China, Joana D’Arc, Catalina de Siena, …

Vontade de ler os enlatados: Criando meninos, criando meninas,  filhos autônomos, filhos felizes, quem ama educa e tantos outros que prometem fórmulas milagrosas e não exigem tantas sinapses…

Vontade de ler as pessoas com amor e misericórdia…

Vontade de ler a Palavra e me tornar a sua prática…

Vontade de ler o mundo com o filtro do Mestre…

Vontade de ler por osmose…

Vontade de ler em grupo…

Vontade de ler os sinais…

Vontade de dormir…

 

Casa dos Pequeninos

O local onde as crianças viviam era asqueroso. Um barraco de pedaços d emadeira remendados e um teto feito de cacos de telhas. Sujo, lameado, cheio de moscas e com um odor horrível que só pude experimentar igual quando conheci o lixão. Tudo que eles ganhavam se misturavam com a lama e o lixo. Parecia um buraco sem fundo. Quando percebi que não havia separação entre o lixo e o resto, parei de levar as doações para o barraco. Eles iam passar o final  lá em casa e voltavam somente com a roupa do corpo. Acumulei tudo no quartinho de Jesus e nas casas das moçoilas do grupo infância, não valia a pena levar nada para lá. O período de chuvas se intensificou e parte do telhado cedeu. A situação piorou muito e os trapos de colchão que estavam espalhados pela sala e quarto mais pareciam esponjas encharcadas. Pelo menos a água chegava todos os dias no período de chuvas. Nessa época as crianças estavam cheias de bicho de pé. Os dedinhos do Gabriel de dois anos e da vivi de quatro estavam ao ponto de serem necrosados de tão grande o estrago. Seu Genildo quando chegava do aterro estava literalmente um lixo. Esse era o seu cotidiano. Essa era a vida dessas pessoas. Quando avisamos que alugaríamos uma casa para eles, pedimos a autorização do pai para ocuparmos o barraco após a saída da família, ele aceitou de pronto. Autorização concedida, começamos mais uma vez a sonhar. Deus havia pedido para fazermos daquele barraco, daquele casebre de horror uma casa de oração, amor e justiça: A Casa dos Pequeninos. Estamos vivendo isso neste instante. O barraco foi demolido e não conseguimos aproveitar nada. O lote está limpo e o sonho em processo de materialização. A história está sendo escrita e o objetivo deste post é convidá-lo para ser parte disso. Precisamos de muitas coisas e sabemos que juntos por UM podemos realmente muito. O quanto antes o barracão estiver pronto melhor será para a infância daquele lugar. Estamos precisando de telhas, pregos, cimento, caibros, madeirites, porta e duas janelas. Precisamos das orações de todos e também dos loucos que queiram entrar na favela para levar o doce amor do Pai para os pequeninos sofridos daquele lugar. Precisamos de você!

http://www.youtube.com/watch?v=4_BxY2ie0fo

 

Mundinho fútil na casca de nozes

Mais uma sexta-feira, mais uma visita à favela. Cheguei no barraco dos órfãos e estavam todos na área. Conversamos, rimos e começou o desespero deles querendo passar o final de semana longe da lama. Todos pedindo de uma só vez para irem comigo. Já tínhamos um trato que todo final de semana alguém iria, todos já haviam ido pelo menos uma vez. Nesse dia eles estavam especialmente desesperados. Queriam um banho de chuveiro, dormir no quentinho ou, ainda, comer todas as refeições do dia e ter alguém para dizer o quanto eles são lindos e espertos. Começaram a encontrar soluções dizendo para eu ligar para a tia tal ou aquela outra de cabelo assim ou a de características assado. Aquilo me deu uma angustia porque sabia que naquele final de semana não conhecia nenhuma casa disponível para levar aquelas crianças. Resolvemos fazer um sorteio para diminuir um pouco a ansiedade. Faltavam seis finais de semana para o natal e o combinado era cada um deles, após o sorteio, saber exatamente que dia iria. A Vivi já estava aos prantos em pensar na possibilidade de passa raquela noite no frio e na sujeira. Anotamos os nomes de todos e deixei tudo bem explicado e anotado. Todas as sextas-feiras até o dia 25 de dezembro. Não sabíamos que eles se mudariam na véspera de natal, havíamos orado por isso, mas nem me lembrava mais. Iniciamos o sorteio e para alivio geral o primeiro nome a sair foi o da Vitória. Todos, inclusive, os mais insistentes em irem naquele dia, respiraram aliviados. Oramos e nos despedimos, no entanto o sentimento de revolta e dor dentro de mim só aumentava. Como era possível aquilo!?! Cristãs  ecristãos em suas casas confortáveis com cama, chuveiro e comida, levando seus filhos para shoppings e lanchonetes, enquanto crianças estavam implorando com o olhar por um pouco do mínimo naquele final de semana. Não tenho problema nenhum em gastar com os meus, enxergo sim um grande problema quando ignoramos o outro. Há miséria no Distrito Federal. Onde estão os filhos de Deus que se manifestarão???

 

O dizimo não é da igreja, não é do sistema, nem seu! (127°

A palavra sistema pode ser substituída por método, doutrina ou teoria. O significado no dicionário muda de acordo com o contexto. Pode ser um Conjunto de princípios verdadeiros ou falsos reunidos de modo que formem um corpo de doutrina ou um conjunto de meios e processos empregados para alcançar determinado fim ou, ainda, um modo de organização. A palavra igreja é de origem grega e foi escolhida pelos autores da Septuaginta (a tradução grega da Bíblia Hebraica) para traduzir o termo hebraico q(e)hal Yahveh, usado entre os judeus para designar a assembleia geral do “povo do deserto”, reunida ao apelo de Moisés. Em alguns dicionários podemos encontrar o termo igreja sendo definido como um conjunto de fieis de uma religiao ou, ainda, um edifício dedicado ao culto de qualquer confissão cristã. Reconhecemos a forma como fomos ensinados a fazer nos dois conceitos o de sistema e o de igreja, mas o que a bíblia nos ensina?

Na epístola de Pedro podemos ler nas entrelinhas que a igreja não é uma construção de tijolos, mas de pedras vivas.  “Também vós mesmos, como pedras que vivem,sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo”(1 Pedro 2:5). Paulo completa chamando essas pedras de santos e membros da familia de Deus. “Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito” (Efésios 2:19-22). A igreja não é nenhum tipo de instituição ou objeto impessoal. É um corpo constituído de componentes vivos. Entender o conceito bíblico de igreja como um corpo de pessoas chamadas para fora do pecado, para serem santos, ajuda-nos a apreciar a riqueza da descrição de Paulo da “igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue” (Atos 20:28). Jesus não morreu para comprar terra e edifícios, nem para estabelecer alguma instituição ou denominação. Ele morreu para comprar as almas dos homens e mulheres que estavam mortos no pecado, mas que agora têm salvação e esperança de vida eterna (Romanos 5:8; 1 Coríntios6:19-20). Ele não morreu para que homens e mulheres criem sistemas de onde tiram o seu sustento e fazem daquilo o que bem entendem.

Jesus não morreu para um grupo eleito de pessoas se sustentarem dos dízimos e ofertas de outras pessoas que têm fé e um coração generoso. Deus tem um destino para tudo na nossa vida. Ore e saiba exatamente o que deve ser feito não somente com a décima parte, mas com todo o seu dinheiro. Deus quer o governo não de dez por cento da sua renda, mas dos cem por cento. Ele não quer que você separe um sábado ou domingo para ele, Ele quer todos os seus dias. Não precisa que você cante meia dúzia de musicas no domingo a noite e chame isso de adoração, Ele quer um adorador em espírito e verdade (João 4:23), que O adore cotidianamente. Ele quer tudo, somos apenas mordomos. Tudo é Dele e volta para Ele. Chega de construir um relacionamento com Deus de forma institucional, seja livre para ser uma pedra viva, ser uma Igreja em todo lugar que estiver (Atos 20:24).

Que raiva!

Peguei o telefone e logo percebi que tinham muitas mensagens do celular que alice deixou no barraco dos meninos. Na hora retornei e eles perguntaram se eu sabia onde estavam as certidões de nascimento de todos. Avisei que estava com a do Gabriel e que o seu genildo havia me mostrado em uma das primeiras visitas que fiz à familia as certidões para que eu anotasse as datas dosaniversários deles. Ouvi alguém gritando algo fundo e desliguei. Chegando ao barraco no final do dia o Lucas me fala que a Sheila ficou berrando dizendo queeu entrei lá e peguei as certidões, ao ponto de brigarem e se agredirem porque ele tinha dito que eu não tinha feito isso. Quando a Sheila chegou estava com acara bem fechada e mal me cumprimentou. Avisei a todos que nunca tinha mexido em nada no barraco deles e que tinham muitos “amiguinhos” e “amiguinhas”que freqüentavam a casa, apesar do pai não autorizar. Falei que era para a Sheila procurar as certidões naquela hora porque eles precisavam achar. Fiquei conversando com as crianças e já estava dando a hora de ir embora. Juntamos todos para orar e a Sheila não arredou o pé do quarto, fui me despedir dela e vi que tinha encontrado as certidões dentro de uma bolsa jogada no canto. Na hora falei que ela me devia desculpas por ter me acusado e feito um grande escândalo no dia anterior. Ela balbuciou uma palavra e pedi para que olhasse nos meus olhos e se desculpasse. Ela abaixou ainda mais a cabeça e não levantou por nada. Fiquei com muita raiva e comecei a pedir de forma mais enérgica para ela olhar para mim. Nesse momento o Espírito Santo pediu para eu dizer que a amava. Fiquei desmontada porque estava brava e como falaria eu te amo?!?! Na verdade, queria brigar muito com ela. Em segundos uma luta se travou, o meu senso de justiça e direito se empenhando para guiar as minhas próximas palavras e ações. Abaixei para olhar em seu rosto e quando ela levantou o olhar bufando, falei: Sheila eu amo você e nada do que você fizer vai mudar isso, eu te amo e você é uma menina boa. Ela tomou um susto, arregalou ainda mais os olhos e ensaiou um choro. Dei-lhe um abraço e me despedi. Quando saí do quarto os irmãos estavam àespreita e não entenderam nada, afinal de contas quando alguém pede para um deles olhar nos olhos ou coisa parecida o ato contínuo é um tapa bem dado nacara ou muitos palavrões. Isso é um exemplo de muitos outros que acontecem cotidianamente desde que os conheci. Precisam ser vencidos e transformados pelo amor. E isso é um grande desafio para mim. Orem pelas seis crianças e pelos três adolescentes! Eles são lindos e precisam descobrir que são pessoas boas!

Flagrante!

Entramos madrugada adentro montando os kits do natal boas-novas na estrutural. Por volta de uma hora da manha, terminamos tudo e fomos embora com destino taguatinga. Passando por uns quiosques percebemos que o negocio estava animado, muita gente, forro alto e um jogo de luz que mais parecia um pisca-pisca gigante. O beto deu um grito falando “aquela alí não é a sheila?” Na hora olhei e falei “não acredito, ta na gandaia!” e pedi para que ele voltasse, ele ficou me perguntando se eu ia descer e eu respondi que sim. Ele deu ré e paramos em frente ao forró. Desci bufando e já fui logo perguntando se a sheila tinha o bagulho pra mim tambem, ela com os olhos mais arregalados do que nunca respondeu assustada “tem não!” falei que ela não havia imaginado que Deus ia aprontar uma daquela. Enquanto conversava com a sheila se aproximaram mais dois adolescentes, um deles nao parava de me perguntar porque eu ia falar de Jesus naquele lugar. Ohei nos olhos dele e falei sobre o plano de Deus para ele e todos que estavam alí. Conversamos um pouco mais e os convidei para orar. Demos as mãos e clamamos por uma intervenção de Deus em suas vidas, um deles enquanto ajoelhava roçava os dedos na mao da millyanne. Pensa no nível de baixaria.  Enquanto estávamos orando passaram um grupo de mulheres fazendo o seguinte comentário: “ja vi bêbado chorando, ja vi bêbado caindo, ja vi bêbado brigando, mas bêbada rezando era a primeira vez” e se acabaram de ri. A sheila brava como sempre já estava bufando porque as pessoas tinham falado isso, em sua opinião, estúpido demais. Me despedi e entrei no carro indignada com aquela guria, pensando que podia ter carregado ela para a minha casa. Estou escrevendo esse post junto com a sheila e a leila e ao perguntar  a ela o que fez depois que eu saí, me responde que estava com tanta raiva da vergonha que eu a fiz passar que puxou a millyanne e a miryelle para irem embora na mesma hora, disse que foi um dos piores micos de sua vida kkkkkkk. Um dia desse ao perguntar qual tinha sido a maior lombra que ela já teve, me responde morrendo de ri que foi o dia em que a peguei no flagra. “Que flagrante heim tia!”. Nesse momento podemos glorificar a Deus porque a dona sheila está há quase um mês sem dar uma prensada na erva e em meio a risos estamos dizendo e escrevendo que Deus vai conservá-la assim pelo resto de sua vida.

O “anjo” em Apocalipse 1 e 2 é o pastor?

Quantos já não ouviram a expressão “mas ele é o anjo da igreja!” para justificar diversos absurdos de líderes de denominações evangélicas? Para esclarecer um pouco a questão, segue artigo retirado do sitehttp://www.respondi.com.br.

O “anjo” em Apocalipse 1 e 2 é o pastor?

Esta é uma dúvida de muitas pessoas que pertencem ao sistema denominacional, pois há muitos líderes eclesiásticos como “pastores”, “profetas”, “reverendos”, “apóstolos”, ou seja lá qual título adotam, que arvoram para si o título de “anjo da igreja”.

Mas a expressão “ao anjo da igreja que está em…”, repetida no início de cada mensagem às igrejas em Apocalipse 2 e 3, não está se referindo a essas figuras que compõem o clero das religiões modernas.

Aliás, a própria ideia de um clero é combatida nas mensagens às igrejas de Éfeso e Pérgamo. Nicolaítas vem de “Nico“, que significa “conquistar” em grego, e “laíta“, que significa “pessoas” (ou “povo“). A palavra pode significar “conquistador de pessoas” ou “conquistador das pessoas”.

Para responder sua dúvida vou traduzir um trecho de “Notes on the Revelation”, escrito por Hugh Henry Snell (1815-1891), um médico britânico que deixou sua profissão para dedicar-se ao evangelho em tempo integral. Os trechos entre [ ] foram acrescentados por mim para esclarecimento.

“Quando se pergunta ‘Qual o significado do ‘anjo’ da igreja, ao qual cada carta é endereçada’, nossa resposta é: Não existe qualquer fundamento nas escrituras para identificar esse anjo com ‘o pastor’. Apesar de pastores serem dons benditos concedidos por Jesus ressuscitado, a ideia do “pastor” [no sentido denominacional] não é encontrada no Novo Testamento, mesmo porque deviam existir muitos ‘pastores’ em cada assembleia. Em Éfeso havia muitos supervisores [pessoas que tinham o cuidado da assembleia], como também ‘bispos’ e ‘diáconos’ na igreja em Filipo. É mais fácil dizer o que não é o ‘anjo’ do que definir o que é. Portanto é humildemente que falamos de um assunto envolto em tanta controvérsia.

“Mas ao encontrarmos a expressão, ‘O mistério das sete estrelas, que viste na minha destra… são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas’ (Ap 1:20), e notarmos que eles são segurados pela ‘destra’ do Jesus ressuscitado que subiu ao céu, somos inclinados a acreditar que o anjo é uma figura das pessoas portadoras dos dons mencionados em Efésios 4, aqueles que têm a obra do Senhor no coração, através dos quais o Senhor poderia comunicar Seus pensamentos, e os quais Ele tem, em certo sentido, como responsáveis, tanto pela fidelidade quanto pelo fracasso da assembleia.”

Outro autor, F. W. Grant, comentando o mesmo livro de Apocalipse, acrescenta: “A responsabilidade de cada coisa errada é atribuída ao anjo; é ele que tem aqueles que professam a doutrina dos Nicolaítas; é ele que permite a mulher Jezabel; é ele que é ameaçado com a remoção de seu castiçal. Fica bem claro que ele de algum modo representa a igreja, e deve-se notar que a palavra ‘anjo’ possui esta força de ser um representante”. 

Volto a lembrar que esse papel de “representante”, apesar do singular “anjo”, sempre é visto na doutrina dos apóstolos como uma função coletiva. Não havia “o pastor” nas congregações que encontramos em Atos e nas Epístolas, mas “pastores”, que eram dons como também eram “evangelistas” e “mestres” ou “doutores”. Não havia qualquer ideia de um “reverendo” ou, resumindo, de um homem à frente de uma congregação. A representação sempre era plural, mais por um papel de responsabilidade assumida do que de cargo delegado.

Vocacionados (127)

Não paro de refletir sobre os vocacionados. Vendo o significado no dicionário gosto ainda mais do termo. Segundo o Aurélio, vocacionado é todo aquele que é guiado para determinado objetivo ou direção de ação. Estou pedindo há alguns meses a Deus um ajuntamento dessas pessoas, querendo que Ele me transforme em uma e me apresente a outras. Temos diversos exemplos desse tipo de gente no Livro e ao longo da história do cristianismo no mundo. Cada um com características e dons específicos no tabuleiro de xadrez de Deus. Atentarei-me hoje a três histórias interdependentes. Maria e José são exemplos clássicos de vocacionados, foram extraordinários. Maria, então, fantástica. Uma jovenzinha obcecada por Deus que em nenhum momento questionou a idéia absurda de ficar grávida ainda virgem. Não sei ao certo quantos anos tinha Esthevão quando foi apedrejado, no entanto quero especular sobre a sua vocação. Ele era louco porque sabia exatamente qual era o seu objetivo, não teve como preciosa a sua própria vida, mas a perdeu e isso fez com que milhares vivessem. Saulo contemplou o massacre de Esthevão no gargarejo, as vestes do primeiro mártir foram entregues em suas mãos, nas mãos de um jovem temido. Antes de adormecer, Esthevao clamou ao pai para que não atribuísse aos que o mataram aquele pecado, entre eles o lunático Saulo. Este, que mais do que nunca, bufava contra os cristãos de sua época, pediu autorização ao alto escalão judeu para perseguir todos que conseguiram fugir de sua ira. Autorização concedida, segue Saulo e seus companheiros com raiva nos olhos, obcecados em impedir o avanço do cristianismo no mundo conhecido. Naquele momento, ninguém podia imaginar que havia um processo desencadeado por Esthevão, um processo latente e silencioso de Deus no destino do homem. Saulo, surpreendido e indefesamente cego, corresponde à sua vocação e torna-se Paulo de Tarso. Surreal demais para todo o mundo conhecido. Os cristãos não podiam acreditar em uma transformação tão assombrosamente arquitetada!

Agora me responda: quantos processos o jovem Paulo de Tarso desencadeou?!?!? 

Faça parte dessa estatística e assuma de vez a sua vocação ouvindo e obedecendo a direção de ação do Criador para a sua vida. Desencadeie processos!  

 

O sermão da montanha acaba comigo! (126)

O sermão da montanha é um complexo de desafios. Começando pelos paradoxos de choro-consolo, pobre-dono, fome-saciedade, perseguição-gratificação, passando pela mansidão como garantia de herança, a misericórdia alcançando mais misericórdia e o alvejante do coração para de fato enxergamos a Deus. Quero me atentar a essa bem-aventurança, a garantia de que se meu coração estiver limpo, verei a Deus. Fico pensando um exemplo de coração limpo, como isso se materializa na terra e a única coisa que, em minha opinião, se aproxima disso é a pureza da infância. No entanto, se as crianças do século XXI encontram-se maliciosas, maldosas, ariscas, desafetuosas e tantas outras coisas a culpa sempre será dos adultos que as cercam desde quando foram concebidas no ventre de suas mães. A criança não passa a ser um ser humano quando vira um adulto ou ainda quando nasce, ela é uma pessoa desde a sua concepção. O fato de não vermos e não tocá-la não diminui o status de essa criança ser uma pessoa com direitos espirituais, humanos e sociais. A responsabilidade foi confiada por Deus aos seus progenitores. O que nossos filhos têm se tornado é um reflexo direto e cruel de quem nós somos e do que estamos proporcionando a eles. É horrível pensar, mas estamos fazendo muito mal o nosso trabalho de mordomos de Deus na terra. Falo de mim e da minha geração, somos levianos na criação de nossos filhos, fazemos de tudo para empurrarmos obrigações que são intrinsecamente nossas a terceiros. Os princípios bíblicos vão para as tias das salinhas das igrejas, a educação para salinhas de colégios, o lazer para a sala de estar, onde quem reina é a caixa de pandora apelidada TV, a alegria para o consumo desenfreado e idas cada vez mais comuns aos shoppings, a atenção para o coleguinha de classe ou pouco mais à frente para o traficante empenhado, a brincadeira para o controle do vídeo game ou teclado do computador. Como se não bastasse isso, somos bons em ensiná-los os mais diversos preconceitos pelo simples fato de não tolerarmos o novo e o diferente, ensinamos com maestria o desamor, o egoísmo, a indiferença todas as vezes que cotidianamente mostramos que o trabalho, o estudo, a internet, o ministério ou qualquer outra coisa é mais importante do que a convivência com aquele serzinho pequeno, mas de uma complexidade e necessidade absurdas. Roubamos dos nossos filhos seus direitos espirituais transformando-os em religiosos medíocres como nós, usurpamos seus direitos sociais ensinando desde sempre que eles precisam ter coisas e mais coisas e quem não tem não foi bom o bastante e, ainda, arrancamos das nossas crianças seus direitos humanos enjaulando-os em cubículos de cimento e tratando-os como se não fossem pessoas que pensam, sentem e têm necessidade de refletirem isso. O dia que reconhecermos a paternidade de Deus e assumirmos essa adoção e de fato sermos filhos Dele poderemos engatinhar na criação da próxima geração.

Livra-me de mim, Pai, para que eu pare de estragar a vida daqueles que o senhor me confiou, poupe os meus filhos de sua mãe. Tenha misericórdia de nós!

Alvin e os esquilos

Hoje foi dia de cinema! Cinco adultos, três adolescentes e quatorze crianças em uma sala lotada de um shopping abarrotado. Oito deles pela primeira vez diante da tela grande. Angélica compareceu e arrasou levando muitos doces. Tinha de tudo, caixas de bombons, barras de chocolate branco e de diamante negro hummmm, amendoim japones, amendoim doce, jujubas, uma delícia. Tia vanessa levou o pequeno felipe e a clarinha e também o tio robson. Tia kilza antes da metade do filme teve que sentar nas escadas para cuidar do davizinho e companhia. Tivemos uma birra na entrada e outra bem duradoura na saída. No final, a meninada estava em polvorosa: correndo, gritando, fugindo, era só um ter a idéia que todos o outros o seguiam em bando. Pensa nessa galerinha descendo as rampas de acesso ao estacionamento em alta velocidade, desespero total nos adultos conhecidos e mais ainda nos desconhecidos. Nunca foi tão complexo pagar um tíquete de estacionamento na minha vida inteira. O Yuri não teve sossego, de dez em dez segundos lá estava ele correndo atrás dessas coisinhas inquietas. Tivemos que dividir a turma nos três carros, dessa vez não foi necessário utilizar o porta-malas, sim, não espalha, mas já fizemos isso uma única vez, diga-se de passagem. Pronto! Missão cumprida! A única coisa que não posso dizer é do que se trata o filme, sei que haviam esquilos meninos e esquilos meninas, dois adultos bem sem graça e uma coisa que parecia um pato gigante e acima do peso. Não deu tempo de observar o roteiro, tendo em vista que as demandas eram intermitentes. Banheiro, água, troca de lugar, menino fugindo, outro indo para a saída de emergência achando que era banheiro, distribuição de doces, pipocas e sucos, atenção total para os menores não perturbarem o vizinho e o rapaz desacompanhado de crianças que estava na nossa frente… Ufa! estou pensando seriamente em esperar somente o alvim e os esquilos na terceira idade para repetir a dose. Brincadeirinha hehehe, temos teatro marcado para a próxima semana, exposição interativa de vídeo game no final do mês,  zoológico para quando o sol aparecer e parque da cidade. Num referencial de eternidade podemos deixar a tranqüilidade e estabilidade para o corpo glorificado : ))

Miséria tem rosto

Casa nova

Sonhamos alto! Pedimos ao Pai uma casa sozinha no lote no Riacho Fundo 2 no valor de uns oitocentos reais, queríamos que eles passassem o natal na casa nova. Começamos a gerar fé em seus corações. Todas as vezes que os encontrávamos orávamos juntos. Apareceu um imóvel em taguatinga e apressadamente avisamos a família, uma semana depois o rapaz desistiu de alugar a casa e tivemos que dar a triste notícia de que não tínhamos mais data para a mudança, no entanto Deus tinha o melhor e mais do que nunca transferimos a responsabilidade para cada membro da família, independente de sua idade. O nosso desejo é que eles tivessem experiências pessoais com Jesus. Estávamos com dificuldades de encontrar o aluguel, tudo muito caro e quando avisávamos sobre a quantidade de crianças as pessoas não se interessavam em fechar negócio conosco. Cogitamos a possibilidade de passar o aluguel da casa em que moramos para eles, tendo em vista que iremos nos mudarem fevereiro. Masa necessidade era urgente. Eles precisavam sair da favela o quanto antes. Na semana que antecedeu ao natal tudo foi desencadeado. O victor nos avisou sobre um imóvel na cidade que gostaríamos que eles morassem. No dia seguinte fomos olhar a casa e fechamos o aluguel no mesmo dia. Tínhamos uma casa de dois quartos e mais três cômodos nos fundos que poderiam ser transformados em mais quartos por oitocentos e cinqüenta reais. Pagamos o primeiro aluguel no dia vinte e dois de dezembro e no dia seguinte as crianças já estavam na nova casa, no dia vinte e quatro o pai também se mudou e nesse mesmo dia começou a trabalhar em uma empresa de manutenção de condomínios depois de passar quinze anos vivendo do lixo. Fizemos a ceia de natal na casa deles e foi excepcional. Eles estavam radiantes e nós também. Deus havia feito tudo de forma surpreendente e inesperada. Toda honra, toda glória, todo louvor sejam dados ao Senhor!

Mãe solidária

As crianças não estão acostumadas com limpeza, organização e higiene pessoal. As adolescentes têm uma carga enorme porque precisam cuidar da casa, delas mesmas e de seus irmãos. Estavam acostumados a sobreviverem junto ao lixo, a resolverem tudo no tapa e na gritaria e agora precisam aprender a viver de forma totalmente diferente. O MÃE SOLIDÁRIA surgiu dessa necessidade. A proposta é atendermos essa família pelo menos três vezes na semana. Cada dia uma mulher ou uma dupla de mulheres passando um turno ou um dia inteiro na nova casa deles. Pessoas dispostas a amar e a servir as adolescentes Sheila e Leila e às crianças Lucas, Willian, Wemerson. Queila, Vitória e Gabriel. Mulheres dispostas a ensinar e amar não esperando nadaem troca. Semreconhecimentos humanos ou glórias. Mulheres que têm suas casas, seus filhos, muitas vezes maridos e diversos compromissos, mas entendem a urgência desse momento e querem manifestar um pouco mais a prática do que é ser cristã. Mulheres que encaram desafios, mulheres que saibam o Deus que as amam e que estão dispostas a construir no ano de 2012 e em todos os dias que Deus nos presentear obras de amor e atos de justiça. Venha ser parte disso. É possível!

 

Renove a sua mente (124°)

Seria cômico, se não fosse trágico!

gente gritando com o microfone na mão em nome de Deus, mas na verdade trabalhando para o EU;

gente falando paz do senhor na frente e destilando veneno nas costas;

gente que espiritualiza problema emocional, tipo a obra é árdua, há muita ingratidão, não leve em consideração isso ou aquilo;

gente querendo ser o que não é: estagiário querendo ser advogado, guardinha de hospital querendo ser policia. policial querendo ser juiz, pastor querendo ser Deus;

gente que comemora o dia do evangélico, e crítica o dia  da maria;

gente que chama de reino de Deus o seu quintal de influência, o sistema que criou de onde tira o seu salário e sustenta todos os desejos inúteis para manter as coisas funcionando;

gente que se acha o perfeito e nunca assume os seus erros, piorando um pouco mais quando ensina isso aos filhos que vêm tudo, sabem tudo e reproduzem quase tudo;

gente que pelas costas é o valentão, mas na frente se acovarda;

gente que manda  gente orar levantando a mão perto de outra gente, para ver se essa gente sai do caminho daquele outro tipo de gente;

gente que tenta disfarçar o quanto é egoísta e fútil;

gente que vira a cara para outra gente;

gente que finge preocupação, orgasmo, simpatia, amor, amizade, bondade, alegria e tantas outras coisas;

gente que usa o microfone para roubar o tempo das pessoas nos púlpitos da vida com frases de efeito, recados e mais recados, ofensas, berros e emocionalismos… eca!

gente igual a mim que perde alguns minutos do precioso  sono para escrever uma asneira dessa kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk seria cômico, se não fosse trágico!

Loucura é o quê para você?

A minha idéia era dar um grau no barraco onde as crianças viviam, entrei já anotando o que precisaríamos: guarda-roupa, beliches, um armário de cozinha, talvez um sofá, um rack e outras coisinhas. Fiquei alegre em pensar que poderíamos tornar a vida deles melhor. O grupo infância aprovou a idéia e começamos uma campanha de arrecadação. Queríamos também colocar uma caixa d’água, tendo em vista que em tempo de calor a água  chegava somente nas madrugadas. Estava contente com a idéia de que os meninos teriam a água batendo nas suas cabeças lá dentro do barraco. Uma semana depois do planejamento fui ao local acompanhada pela ritinha. O período de chuvas tinha começado há dois dias e quando saímos do asfalto para entrarmos na favela a lama era colossal. Nessa época já tinha perdido as contas de quantas vezes havia visitado o casebre e não chorava mais, na verdade pensei que não fosse mais chorar por conta da precariedade e insalubridade em que as crianças viviam. Ledo engano, quando entrei a mesma lama de fora estava dentro. Era insuportável pensar que eles dormiriam naquele lugar e mais dilacerador era o fato daquilo se repetir inúmeras vezes. A rita se encostou num canto e chorou copiosamente. Saímos indignadas, alopradas e espezinhadas com a situação. No carro conversamos sobre diversas possibilidades. Num dado momento da conversa uma idéia nos tomou de assalto: vamos tirar eles da favela! Era loucura demais, alugar e montar uma casa para seis crianças, três adolescentes e um pai que vivem na miséria e sobrevivem do lixão. Falei para Deus que não tinha a menor condição. Não tínhamos dinheiro para isso e tantas outras coisas. Ele começou a desconstruir parte dos meus argumentos, logo de cara falou que o meu dizimo, a partir daquele momento, iria para os órfãos. Fiquei chocada e na hora pensei que era uma sandice da minha cabeça, estava variando, imagina voce atribuir a Deus uma asneira dessa. Mesmo assim fiz um combinado, coloquei o Beto no meio e disse a Deus que se o meu marido não colocasse nenhuma objeção, acreditaria que não era uma insanidade minha. Aprendi a vida inteira que a casa do tesouro é o templo de tijolo, nunca pensei de outra forma. Pois bem, assim que cheguei em casa falei para o beto já esperando que ele me chamasse de louca ou coisa do gênero. Para a minha total surpresa, ele ficou quieto e simplesmente disse que era para eu obedecer ao Pai. Um turbilhão de pensamentos tomou conta de mim. Caraca! que desconstrução é essa que Deus estava propondo. Mais uma vez o grupo infância tomou a causa para si e começamos a sonhar…